domingo, 31 de outubro de 2010

Samhain - A Morte do Deus


Quando chega o dia de hoje a maioria dos seres que encaram a mágica do mundo como algo intrínseco ao homem encaram o  dia 31 de outubro com dia de Festa pois trata-se do Dia de Samhaim.
Místicos, bruxas, magos e afins dedicam, pelo menos, alguns minutos do seu tempo  neste dia 31 de outubro para agradecer e refletir. Porém, muitos desavisados e curiosos que afirmam praticar “bruxaria” fazem deste dia uma comemoração a forças ocultas...

Para desmistificar um pouco dos segredos desta comemoração tratarei hoje sobre este assunto.
Samhaim (em irlandês Samhain) era o festival em que se comemora a passagem do ano dos celtas. Marca o fim do ano velho e o começo do ano novo. O Samhain inicia o inverno uma das duas estações do ano dos celta, o início da outra estação, o verão, é celebrado no festival de Beltane.
Para muitos estudiosos, grande parte da tradição do Halloween, do Dia-de-Todos-os-Santos e do Dia dos Finados pode ser associada ao Samhaim. O Samhaim era a época em que acreditava-se que as almas dos mortos retornavam a casa para visitar os familiares, e para buscar alimento e se aquecerem no fogo da lareira. Outros pesquisadores, porém, acreditam que não existe nenhuma evidência que relacione o Samahin com o culto dos mortos e que esta crença se popularizou no século XIX. Segundo o relato das antigas sagas o Samhain era a época em que as tribos pagavam tributo se tivessem sido conquistadas por outro povo. Era também a época em que o Sidhe deixava antever o outro mundo.

Essa é a noite em que o véu que separa o mundo material do mundo espiritual encontra-se mais fino e o contato com nossos ancestrais torna-se mais fácil. É também o momento tradicional para celebrar a última das colheitas e se preparar para o Verão.
O poder de magia pode ser sentido no ar, nessa noite. O Outro Mundo se coaduna com o nosso conforme a luz do Sol baixa e o crepúsculo chega. Os espíritos daqueles que já partiram para o outro plano são mais acessíveis durante a noite de Samhain.

Samhain ocorre no pico do Outono. É o tempo do ano em que o frio cresce e a morte vaga pela Terra. O Sol está enfraquecendo cada vez mais rapidamente, a sombra cresce e as folhas das árvores estão caindo, numa preparação ao Inverno que chegará. Essa é a última colheita, o tempo em que os antigos povos da Europa sacrificavam seus gados e preservavam sua carne para o Inverno, pois esses animais não podiam sobreviver em grande escala nesse período do ano devido ao frio vindouro. Só uma pequena parte, os mais viris e fortes, era mantida para o ano seguinte.
Samhain é a noite em que o Velho Rei morre e a Deusa Anciã lamenta sua ausência nas próximas seis semanas. O Sol está em seu ponto mais baixo no horizonte, de acordo com as medições feitas através das antigas pedras da Britânia e da Irlanda, razão pela qual os Celtas escolheram esse Sabbat, em vez de Yule, para representar o Ano-Novo. Para os Antigos Celtas, esse dia sagrado dividida o ano em duas estações, Inverno e Verão. Samhain era o dia no qual começavam o Ano-Novo celta e o Inverno, por isso era um tempo ideal para términos e começos.
É o dia ideal para honrar os mortos, pois nele os véus que separam os mundos estão mais finos. Aqueles que morreram no ano passado e aqueles que estão reencarnando passam através dos véus e portais nesse dia. Os Portões das Sidhe estão abertos e nem humanos nem fadas precisam de senhas para entrar e sair.

Em Samhain, o Deus finalmente morre, mas sua alma vive na criança não-nascida, a centelha de vida no ventre da Deusa. Isto simboliza a morte das plantas e a hibernação dos animais, o Deus torna-se então o Senhor da Morte e das Sombras.
Samhain é um festival do fogo e é a entrada para a parte sombria e fria da Roda do Ano. É em Samhain que as fogueiras são acesas para que os espíritos do outro mundo possam encontrar os caminhos para partirem ao Outro Mundo (País de Verão).
Samhain é o tempo de lembrarmos com amor aqueles que partiram para o outro lado, por isso é chamado de a Festa Ancestral. Toda a família, ou grupo, se reúne para reverenciar os que já partiram. É muito comum nesse Sabbat se realizar uma ceia em silêncio, conectando-se com aqueles que já cruzaram os portais dos mundos. É tradicional também deixar um lugar à mesa para os ancestrais e lhes servir pratos como se eles estivessem presentes à ceia.

Para aqueles que não têm família para festejar e celebrar seus ancestrais, alimentos geralmente são deixados do lado de fora de casa, na porta de entrada, em homenagem aos familiares e amigos desencarnados. É também tradicional deixar uma vela acesa na janela da casa para ajudar a guiar os espíritos ao longo de sua caminhada ao nosso mundo para que possam encontrar o caminho de volta.
De acordo com os antigos celtas, havia apenas duas divisões do ano que iam de Beltane a Samhain (Verão) e de Samhain a Beltane (Inverno).
Beltane

Samhain é um dos quatro grandes Sabbats e muitas vezes é considerado o Grande Sabbat.
Por ser o maior de todos e o mais importante também, todos os Pagãos consideram Samhain como a noite mais mágica do ano. Muitas práticas adivinhatórias foram associadas a Samhain, as mais comuns eram aquelas que prenunciavam casamentos e fortunas para o próximo ano que estava se iniciando.
Uma das tradições mais comuns praticadas pelos povos antigos era a de colocar várias maçãs em um grande barril de água. Várias mulheres se reuniam em volta do barril, e a primeira que conseguisse pegar uma das maçãs seria a primeira a casar no próximo ano.
Na Escócia, colocavam-se pedras entre as cinzas da lareira, deixando-as "descansar" durante a noite. Se alguma pedra fosse descoberta durante a noite, representaria a morte iminente durante o próximo ano de um dos moradores da residência.
Sem sombra de dúvida a prática mais famosa do Samhain é o Jack O'Lantern (máscaras de abóboras), que sobrevive até hoje nas modernas celebrações do Halloween.

 Vários historiadores atribuem suas origens aos escoceses, enquanto outros lhe conferem origem irlandesa. As máscaras eram utilizadas por pessoas que precisavam sair durante a noite de Samhain. As sombras provocadas pela face esculpida n abóbora tinham a virtude de afastar os maus espíritos e todos os seres do outro mundo que vinham para perturbar. Máscaras de abóboras também eram colocadas nos batentes das janelas e em frente à porta de entrada para proteger toda a casa.
O costume norte-americano de vestir-se com trajes típicos e sair pelas casas dizendo Trick or treating, nas noites de Halloween, é de origem céltica. Nos tempos antigos, o costume não era relegado às crianças, mas sim aos adultos. Em tempos ancestrais, os vagantes iam cantando cânticos da época de casa em casa e eram presenteados com agrados pelo seus habitantes. O Treat (presente) também era requerido pelos espíritos ancestrais nessa noite através de oferendas.
O Deus neste período é identificado com os animais que eram sacrificados para continuidade da vida.
Samhain é um tempo para a reflexão, no qual olhamos para o ano mágico que passou e estabelecemos as metas para nossa vida no ano que entra.

Correspondência de Samhain
Alfabeto bruxo

Cores: preto e laranja

Nomes Alternativos: Festa de Todos os Santos, All Hallows, Mischief Night, Hallowmas, Noite de Saman, Samaine, Halloween, All Hallows Eve.

Deuses: Deuses Anciãos, a Deusa na sua face da Anciã, o Deus como o Senhor das Sombras.

Ervas: nós-moscada, sálvia, menta, mirra, patchuli, artemísia, alecrim, musgo, calêndula, louro, mandrágora.

Pedras: obsidiana, floco de neve, ônix, cornalina, turmalina negra, âmbar, granada, hematita. Atividades:
Tomar resoluções para serem colocadas em prática no próximo ano que se inicia. Queima de pedidos.
Confeccionar um Jack O'Lanterna.

Fazer oferendas de maçãs e pães no jardim dos ancestrais.
Adivinhação através do Tarô, das Runas, da bola de cristal, da vidência em espelho negro e caldeirões com água.
Fazer máscaras que expressem a sua sombra.
Confeccionar vassouras.
Confeccionar um Bastão Mágico.
Confeccionar uma Witch's Cord (Corda de Bruxa) para proteção durante o decorrer do ano.
Acender uma vela laranja à meia-noite para atrair sorte no ano que se inicia.
Erigir um Altar com a foto de seus ancestrais amados e colocar oferendas sobre ele, demonstrando seu agradecimento e reconhecimento pelos feitos deles na Terra.
Comidas e Bebidas Sagradas: maçã, romã, nozes, cidra, vinho quente, abóbora, chá de ervas, batata.

Pão de Samhain
Ingredientes:
1 tablete ou 15 gramas de fermento biológico
2 colheres rasas de água morna
1 xícara de chá de leite quente
1/4 xícara de chá de mel
1/2 colher de chá de sal
2 xícaras de chá de farinha de trigo
1/2 xícara de chá de fubá
1/2 xícara de chá de farinha de trigo integral
Modo de fazer:
Dissolva o fermento na água morna e deixe descansar por 15 minutos. Em um tigela, misture o leite, o sal e mel ao fermento dissolvido. Aos poucos, acrescente a farinha de trigo, o fubá e a farinha integral. Mexa com uma colher de pau no sentido horário, pensando em seu sucesso. Deixe a massa descansar até atingir o dobro do tamanho, amasse-a, coloque-a em formas de pão e espere crescer. Asse em forno médio.


sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Pro seu Dia das Bruxas...



Este ano uma coisa bacana vai acontecer em pleno dia das bruxas; será dia de eleição no Brasil. E a bruxa vai estar solta....

31 de outubro é o dia em que se comemora-se o Halloween, A Noite das Bruxas. festa muito tradicional nos países de língua Inglesa. E deste, se destaca as festas realizadas nos Estados Unidos, nação que ajudou a espalhara  comemoração pelo  mundo.
Halloween significa All Hallow´s Eve (véspera de Todos os Santos)e é uma festa de origem celta. Há 2.500 anos, os antigos celtas (que povoavam parte do norte da Europa e Ilhas Britânicas) celebravam o fim do ano quando acabava o verão, que para eles era no dia 31 de outubro. Os celtas pensavam que este dia os espíritos saíam de suas tumbas e por isso decoravam as cabanas com ossos e objetos desagradáveis que era para afugentá-los.
Atualmente o Halloween é celebrado nos países anglo-saxões e nesta noite as pessoas se fantasiam de monstros e as crianças pedem doces e guloseimas nas casas que costumam estar decoradas com abóboras assustadoras.

O Halloween acabou sendo exportado para outros países graças aos filmes e às séries de televisão que costumam mostrar esta festa como algo divertido. E realmente é muito legal, porque nós podemos nos fantasiar de vampiros, bruxa, zumbi, etc e isto pode ser divertido. Se você não quer se fantasiar, pode apenas reunir suas amigas e alugarem uns filmes de terror. Os clássicos sempre fazem sucesso: O Exorcista, Poltergeist, Chuky,...
No Brasil, Para ir a favor do regionalismo, se criou o Dia do Saci, exatamente no dia em que se comemora o Halloween. De toda forma, qualquer fonte de alegria e diversão é bem  vindo.
Vejamso mais explicações sobre esta festa:



E Para ajudar na sua diversão deixo umas receitinhas pra entrar no clima macabro que a festa exige.


Black Magic Cake
Ingredientes:
2 xícaras de açúcar
1 e 3/4 xícaras de farinha de trigo
3 / 4 de xícara de cacau em pó
2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de fermento em pó
1 colher de chá de sal
2 ovos
1 xícara de manteiga ou leite azedo *
1 xícara de café preto forte ou 2 colheres de chá de café em pó instantâneo em 1xicara de água fervente
1 / 2 xícara de óleo vegetal
1 colher de chá de extrato de baunilha

Aqueça o forno a 350 ° C. Unte e enfarinhe uma assadeira média e reserve; Misture o açúcar, farinha, cacau, o bicarbonato, o fermento e o sal em uma tigela grande. Adicione os ovos, manteiga, óleo, café e baunilha, bata em velocidade média da mistura de 2 minutos (Massa será fina). Despeje a massa uniformemente em formas preparadas. Asse por30-35 minutos. Deixe esfriar completamente. Recheie e decore a gosto, como desejado.
* Para o leite azedo: Use 1 colher de sopa de vinagre branco para cada copo de leite.

Batido de sangue vampiresco

2 iogurtes naturais;
1 pacote de morangos (ou amoras) congelados (estão fora de época, sabes…);
12 cubos de gelo;

Misture tudo no liquidificador. Depois, servir em copos com gelo no fundo e banhados com groselha de morango.




ROSTO DE CADAVER


Ingredientes
Face molde (máscaras em uma loja de artigos de arte)
Queijo bola para os olhos do seu  molde
Queijo Creme para unir
Finas fatias de presunto
Azeitonas para decorar os olhos
Bolachas de coquetel  para servir

Cubra a mascara de plástico duro com filme plástico e va colocando camadas de presunto unidas com queijo creme que ajudara a dar o formato que o rosto  terá. Em seguida coloque os olhos e pronto. Coloque numa bandeja, disponha as bolachas e enfeite com azeitonas



domingo, 24 de outubro de 2010

Investigação I: O Caso da Coxinha Imperial.

Caros amigos, hoje a tarde eu iniciei uma busca que me deixou numa curiosidade terrível. Eu buscava por matérias interessantes para postar aqui e acabei encontrando uma que, no mínimo, me deixou de cabelo em pé.

Tratava-se de mais um caso de doença metal dentro da Família Imperial Brasileira – fato que serviu de panorama para o surgimento da coxinha de frango. Isto mesmo, coxinha de frango, este salgadinho que já virou sinônimo de plebe para os sofisticados paladares da realeza.

Antes, porém, devo explicar o que me ocorreu. Depois que encontrei a informação sobre a possível ligação de um príncipe imperial com o surgimento do quitute, eu  fui atrás de saber qual príncipe era este. Mas não encontrei, em nenhum  lugar dos quase procurei, citações  sobre doenças mentais em nenhum  filho da Princesa Isabel. Logo, me contatei com o serviço de atendimento da Casa Imperial do Brasil (http://www.monarquia.org.br/portal/), esta eu nem imaginava que ainda tivesse existência, para que eles me esclarececem a duvida. Porém, até então, ainda não obtive resposta.

Enquanto aguardo retorno da Casa Imperial Brasileira e continuarei  pesquisando sobre o assunto, vou contar o fato pra que vocês possam  se entusiasmar também. O que será escrito aqui para relatar o surgimento da coxinha de frango, foi retirado do  livro: HISTÓRIAS E RECEITAS, de Nadir Cavazin, 2000, realizado pela Sociedade Pró Memória de Limeira-SP.

Determinados trechos do livro a cima citado fala de visitas imperiais feitas a cidade paulista de Limeira. O texto Explica que oficialmente a história da cidade registra duas vindas do Imperador Dom Pedro II e da Imperatriz Tereza Cristina a Limeira. E que estas essas visitas formais teriam ocorrido uma em agosto de 1876, e outra, a mais demorada, em outubro de 1886, quando, após participarem da Missa da Matriz e recepção domiciliar por parte de cidadãos ilustres, foram hóspedes na Fazenda Morro Azul.

No entanto, conta os antigos que na informalidade era intenso o intercâmbio de habitantes desta região com a nobreza imperial.

Mas o mais curioso para mim foi a presença de um relato ( o real motivo de minha pesquisa e minha dúvida vespertina), de difícil confirmação histórica, que na Fazenda Morro Azul viveu um menino, filho da Princesa Isabel e do Conde D’Eu, mantido longe da corte porque seria considerado deficiente mental. Diziam que essa criança exigia intensos cuidados na alimentação "Quando cismava em não comer" explicavam os antigos moradores "dava um trabalho danado! Por outro lado, se apreciava um alimento, não havia o que chegasse! Queria mais e mais! As coxas de galinha constituíam a sua predileção. O peito, as asas e os demais pedaços eram rejeitados e servidos as outras pessoas".
Princesa Isabel, Conde D’Eu e seus filhos, 1885

A cozinheira da fazenda, certa vez, não tendo o número suficiente de frangos "no ponto" e prevendo a gritaria do menino pela falta de sua apreciada comida, resolveu transformar uma galinha inteira em coxas. Preparou a seu modo a receita e o sucesso foi total. O filho da Princesa gostou tanto que as "coxinhas de galinha" passaram a fazer parte de suas refeições.

A Imperatriz, quando veio a Limeira quis saber tudo sobre seu neto e ao observar com que prazer o pequenino saboreava a iguaria, não resistiu - provou, gostou e solicitou que o modo de preparo fosse fornecido ao Mestre da cozinha imperial. Assim, a humilde coxinha de galinha teve seu tempo de nobreza pelo acesso à Corte, e Altos Salões, graças a esta receita "provada e aprovada por especial indicação de Sua Majestade Imperial, a Imperatriz Tereza Cristina".
D. Teresa em sua velhice, foto de Marc Ferrez, de 1887.

A minha dúvida sobre a veracidade do fato ainda existe. Ficarei atento a qualquer informação vinda da Casa Imperial Brasileira. E tão logo eu tenha algum esclarecimento, publicarei aqui.


Aqui vai a receita original da coxinha tirada do livro.

sábado, 23 de outubro de 2010

Confusão da B(R)OA!!!

No post passado, coloquei uma receita de boinha que eu muito faço em casa. E foi demasiadamente engraçado quando , fuçando a internet, encontrei um causo real sobre a presença da Broa no Brasil. Vejamos o que eu encontrei:

A Broa é uma quitanda basicamente feita de fubá e água (ou leite em alguns casos) com ligeiras modificações aqui e ali por conta do tempero, ela é famosa no Brasil faz parte do café-da-manhã de muitos brasileiros – principalmente no Brasil interiorano do nordeste e centro-oeste.

DEFINITIVAMENTE, Não lhe cabe a extensão "de fubá" ou "de milho", pois se feita de outra farinha, QUE NÃO A DE MILHO, NÃO É BROA.

E não existe uma Broa melhor do que a feita com fubá moído em moinho d'água, que além de resgatar a tradição, preserva as qualidades e potencialidades do milho. Pena que este tipo de farinha de milho é cada vez menos encontrada no Brasil seja por causa da industrialização ou pela falta de interesse das pessoas em fabricá-la.  A broa é tão popular que já foi motivo de chacota entre pessoas do alto escalão do Governo, como o Ex-Ministro. Aluísio Pimenta, que em um de seus discursos a citou com o exemplo de marco cultural.

Para apoiá-lo, Saul Martins escreveu o artigo "Broa de Milho & cachaça" (Jornal Estado de Minas edição de 08.02.1986) para reafirmar que o conceito de cultura é mais abrangente e não está restrito a tão somente manifestações artísticas de elite, como pensam alguns.

 Embora presidente da Comissão Mineira do Folclore, Saul Martins cometeu um equívoco, por creditar aos norte-americanos a introdução da broa em Minas e no Brasil.

À época, o autor desta página e responsável pelo site, lembrou-se de ter visto o registro de broa em livro dos primeiros de registro da vida em Vila Rica. Foi em 1975, quando empregado da Prefeitura Municipal de Ouro Preto, descobriu no amontoado de documentos um livro datado de 8 (de março?) de 1724, aberto por Domingos de Souza Braga, para registro de aforamentos. Entretanto o livro não foi utilizado para a finalidade expressa em sua abertura. Em janeiro e fevereiro de 1733, foi utilizado para lançamento de gastos domésticos. Esse documento era a prova de que a broa aqui tinha chegado com os portugueses, pois 132 anos antes do final da Guerra de Secessão, já era apreciada em Vila Rica.

A essa altura, os documentos já haviam sido transferidos para o "Centro de Estudos do Ciclo do Ouro", instalado na Casa dos Contos, propriedade da Receita Federal. E foram transferidos em boa hora, porque se tivessem ficado por mais tempo em poder da prefeitura, talvez não mais existissem. O que era chamado de arquivo não passava de um amontoado de documentos empoeirados no fundo do galpão do almoxarifado.

No período chuvoso, muitas goteiras; a viver no meio da papelada, ratos e aranhas. O forte odor de urina de rato denunciava sua presença. E se os documentos não foram destruídos, talvez os roedores tivessem mais consciência do seu valor. Na Casa dos Contos foi conseguida a cópia, que acompanhou correspondência ao jornal Estado de Minas, apontando o equívoco do articulista. Infelizmente, nada do esclarecimento foi repassado ao público. Mesmo com a prova apresentada, o assunto não mereceu crédito.

No Brasil, primeiro é preciso que a pessoa tenha "pedigree", seja um "medalhão", para merecer atenção de altas instâncias. Nove anos mais tarde, em fevereiro de 1995, o assunto foi tratado no jornal  O LIBERAL, coluna OPINIÃO, como veremos a baixo:
OPINIÃO -A broa em Ouro Preto. Na edição anterior, a broa foi aqui citada de passagem, recordando episódio singular em que, lançada nos meios de comunicação, se não por quem dela se lembrou primeiro, o foi, contudo, pelos que se levantaram a questionar o que, no seu entendimento, era a manifestação do mau gosto de um ministro da Cultura. O fato se deu em fins de 1985 ou princípios de 1986, quando aquela pasta estava nas mãos do professor Aluísio Pimenta, e, este querendo chamar a atenção para a abrangência da cultura, apontou a broa como exemplo entre usos e costumes, que entram na formação de nossa identidade cultural. Talvez a broa tivesse passado despercebida, se alguns auto-nomeados do "do mais fino paladar" não se insurgissem contra a introdução na mesa daquela iguaria, dita caipira. O protesto de uns poucos foi o bastante para aguçar a curiosidade dos demais comensais que, daí em diante, dela se serviram e degustaram, achando-a boa e condizente com o próprio paladar. A broa, até então acanhada ao lado do bule esmaltado de café, apareceu em colunas sociais, foi tema de crônicas e artigos, matéria jornalística dos grandes noticiosos da televisão. Se tentaram cobri-la de pejo diante do pão, mais nobre, por outro lado não faltaram os que saíram em sua defesa, e do caboclo que a prepara com o milho por ele mesmo plantado, colhido e moído. Entretanto no interessado artigo sob o título "Broa & Cachaça", publicado no jornal Estado de Minas, segunda seção, página 2, de 8 de fevereiro de 1986, Saul Martins em sua ação de degustar a nossa broa acabou sendo enganado pelo paladar: conferiu-lhe origem e introdução em nossa culinária em desacordo com a história. Segundo ele, a broa teria sido introduzida no Brasil por imigrantes norte-americanos, sulistas derrotados pelos nortistas anti-escravagistas na Guerra de Secessão, finda em 1865. Ainda de acordo com aquele articulista, a palavra broa seria adaptação brasileira de "bread" (pão em inglês). Acontece que há registros a contestar tal afirmação. E um deles data de 1724, na forma de livro aberto por Domingos de Souza Braga com o título "Tombo da Villa para se lançarem os aforamentos", porém não usado conforme o termo de abertura. Em janeiro e fevereiro de 1733, foi ele usado para registro da aquisição de víveres, entre eles a broa aparecendo com 13 lançamentos, superada apenas por leite que aprece 15 vezes. Ao lado de mercadorias, cujos nomes estão ilegíveis, aparecem menos vezes outros itens da alimentação tais como farinha, pão, carne de porco, melado, banana, açúcar, vinagre e aguardente. Curiosamente, o feijão só aprece uma vez, assim como bacalhau, toucinho e paio. Sendo uma amostra muito pequena, durante dois meses apenas, porque em março já não se registrou nada, permanecendo o restante do livro em branco, por ela não se pode dizer que a broa fosse um item básico da alimentação. Contudo, pode-se dizer que era muito apreciada por alguém em Vila Rica, há 262 anos passados. Mas, o mais importante mesmo, no momento, é que pelo registro nesse livro prova-se que a broa não foi introduzida por imigrantes norte-americanos ao término da Guerra de Secessão, como escreveu Saul Martins, pois 132 antes daquele fato histórico já era conhecida e consumida em Vila Rica. E muito menos é derivado de "bread". A broa deve ter sido introduzida pelos próprios portugueses, e, a palavra é derivada diretamente do gótico BRAUTH, como ensina o LELLO. Aliás, pelo som, é muito mais lógica a derivação direta de "brauth" do que através "bread". O livro, talvez o mais antigo registro de itens da alimentação  mineira, fazia parte do acervo de documentos da Prefeitura Municipal de Ouro Preto até 1976, quando então se transferiu para o "Centro de Estudos do Ciclo do Ouro" (Casa dos Contos), sob a orientação do historiador Tarquínio J. Barbosa de Oliveira. Embora atrasada 9 anos, por falta de oportunidade no momento próprio, a contestação só foi possível graças à existência daquele registro com não mais que 5 páginas escritas, o que demonstra a importância da preservação de documentos. Graças a eles, conhece-se a história como aconteceu, e se evita seja reescrita, mesmo com boas intenções.
 . Em Portugal, diz-se que "boroa ou broa é palavra nortenha antiga, formada provalmente a partir de "boruna", pertencente a idioma pré-romano da Hispânia"  .   Lá também a broa é muito apreciada. Recentemente, em Viseu, foi assada a maior broa do mundo, devidamente incluída no Guinness. Consumiu 1.700 quilos de fubá, 400 quilos de farinha de centeio, 1.400 litros de água, sal e fermento. Segundo se informa, a broa foi fatiada para 40 mil pessoas.

No entanto, ainda se cabe mais investigação sobre o assunto...


BROA

1½ xícara (chá) de fubá;
1 pitada de sal
6 ovos
1 xícara (chá) de leite
1 xícara (chá) de manteiga
½ xícara (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de farinha de trigo

Peneire numa tigela 1 xícara (chá) de fubá com a farinha de trigo, o açúcar e o sal. Reserve. Misture numa panela a manteiga (reserve 1 colher de sopa), o leite e 1 xícara (chá) de água. Leve ao fogo e, assim que ferver, junte de uma vez os ingredientes secos. Mexa vigoro¬sa¬¬mente e cozinhe por 20 minutos, sem parar de mexer, até obter um mingau encorpado. O fubá deve ser bem cozido como se fosse polenta. Retire do fogo, despeje numa tigela e deixe esfriar por 15 minutos, mexendo de vez em quando. Ligue o forno à temperatura média. Em seguida, adicione os ovos, um a um, mexendo sempre a cada adição. Continue a mexer vigorosamente até a massa ficar macia e um pouco mole (não é ponto de enrolar). Umedeça uma tigela de 10 cm de diâmetro (do tamanho de 1 xícara de chá) e polvilhe com parte do fubá restante. Coloque na tigela um pouco mais de 1 colher (sopa) de massa. Rode a tigela para formar as broinhas e disponha-as numa assadeira untada com a manteiga reservada. Deixe uma distância de 2 cm entre as broas. Repita a operação até terminar a massa. Sempre que necessário, umedeça um pouco a tigela e coloque mais fubá. Leve ao forno por 25 minutos, ou até as broinhas dourarem. Retire do forno e sirva quente.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Broinha boa pra Saci !!!

Hoje meu leite derramou... logo depois de levantar fervura, e azedou. 
Quando senti o cheiro do leite queimado, imediatamente, me lembrei do Sitio do Pica-Pau-amarelo, na minha infância quando eu  lia, nas obras de Lobato, que o leite só azedava quando o Saci estava por perto.

Época boa era aquela em que eu lia, copiosamente, todos os livros  infantis de Monteiro Lobato. E ainda mais prazeroso poder ter vivido numa época onde eu  pude ver as personagens do pica-pau-Amarelo ganhando vida, na TV. Adorava realmente cada  coisa naquele sítio, onde tudo poderia acontecer... Se bem, que a minha vida não era diferente daquele sítio...Mas como meu leite derramou, azedou, devia ter  algum Saci reinando ali por perto.
O saci deve ter aparecido pra reclamar algo. Já que estamos perto do dia das bruxas, ele deve ter saído do bambuzal pra aprontar todas até lá.
Daí, pra ele me deixar em paz  e não mais azedar meu leite, resolvi  falar dele.

Descobri ano passado que o negrinho perneta agora tem dia próprio no Brasil.
O Dia do Saci consta no projeto de lei federal nº 2.762, de 2003 (apensado ao projeto de lei federal nº 2.479, de 2003), elaborado pelo então líder do governo Aldo Rebelo (PcdoB - SP) e Ângela Guadagnin (PT - SP) com o objetivo de resgatar figuras do folclore brasileiro, em contraposição ao "Dia das Bruxas", ou "Halloween", da tradição cultural dos Estados Unidos da América. Propõe-se que seja celebrado em 31 de Outubro. Anteriormente, consta que iniciativas semelhantes já tinham sido aprovadas na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo e na Câmara Municipal de São Paulo.
Tio Barnabé era um negro de mais de oitenta anos que morava no rancho coberto de sapé lá junto da ponte. Pedrinho não disse nada a ninguém e foi vê-lo. Encontrou-o sentado, com o pé direito num toco de pau, à porta de sua casinha, aquentando o sol.
- Tio Barnabé, eu vivo querendo saber duma coisa e ninguém me conta direito. Sobre o saci. Será mesmo que existe saci? O negro deu uma risada gostosa e, depois de encher de fumo picado o velho pito, começou a falar:
- Pois, seu Pedrinho, saci é uma coisa que eu juro que exéste. Gente da cidade não acredita – mas exéste. A primeira vez que vi saci eu tinha assim a sua idade. Isso foi no tempo da escravidão, na fazenda do Passo Fundo, do defunto major Teotônio, pai desse coronel Teodorico, compadre de sua avó dona Benta. Foi lá que vi o primeiro saci. Depois disso, quantos e quantos! (...) - O saci – começou ele – é um diabinho de uma perna só que anda solto pelo mundo, armando reinações de toda sorte e atropelando quanta criatura existe. Traz sempre na boca um pitinho aceso, e na cabeça uma carapuça vermelha. A força dele está na carapuça, como a força de Sansão estava nos cabelos. Quem consegue tomar e esconder a carapuça de um saci fica por toda a vida senhor de um pequeno escravo. (...) –Ele Azeda o leite, quebra a ponta das agulhas, esconde as tesourinhas de unha, embaraça os novelos de linha, faz o dedal das costureiras cair nos buracos. Bota moscas na sopa, queima o feijão que está no fogo, gora os ovos das ninhadas. Quando encontra um prego, vira ele de ponta pra riba para que espete o pé do primeiro que passa. Tudo que numa casa acontece de ruim é sempre arte do saci. Não contente com isso, também atormenta os cachorros, atropela as galinhas e persegue os cavalos no pasto, chupando o sangue deles. O saci não faz maldade grande, mas não há maldade pequenina que não faça. Disse Tio Barnabé. (Trecho de O Saci. Monteiro Lobato. O Saci. Editora Brasiliense)
Mas Um saci de verdade, não me deixaria em paz se eu falasse pro mundo o que  a maioria das pessoas já sabem. Então, vejamos o que consegui garimpar sobre o SACI’S LIFE ESTYLE srrsrsrsrs
Entre as curiosidades, vale destacar os hábitos culinários (e etílicos) dos pernetas. Então, azeite, panela de barro, colher de pau e o bule de ágata são itens que eles não dispensam.
No café da manhã, o Saci traça umas frutas, principalmente banana, e em seguida ataca um prato de mingau de fubá (é feito com leite, bem quentinho, com canela em cima). Depois faz um café ralinho, pra tomar em caneca, ou um chá de hortelã, funcho ou outro matinho. Às vezes, usa o fedegoso pra fazer “café”. Esse mato torrado e moído dá um cafezinho bom pra quem não tem grana pra comprar. Aí, acompanha a beberagem com broa de fubá, biscoito de polvilho e/ou pau-a-pique (uma espécie de broa feita com fubá, amendoim, coalhada, açúcar, uma pitadinha de sal e canela, enrolada em folha de bananeira para assar – quem não conhece pode ir a Nova Resende, no Sul de Minas, que tem até nas padarias). Às vezes, toma um mingau de araruta.
Mingau de Fubá
Antes do almoço e do jantar, ele não dispensa uma cachacinha de primeiríssima qualidade. Para acompanhar o almoço, gosta de um suco de cambuci, de goiaba ou melancia. A comida do almoço e do jantar tem como base o arroz com feijão e farinha de milho. Macarrão, às vezes, mas como “mistura”, junto com o arroz e feijão. O feijão vem embaixo, depois a farinha de milho e em cima o arroz. Em cima do arroz, a(s) mistura(s): banana (crua), frango caipira ensopado, carne de porco, abóbora, couve, batata-doce, mandioca frita ou cozida, jiló, quiabo, cará, inhame, mangarito (da família do inhame e do cará), ora-pro-nobis (uma verdura que tem em Minas, você pode conseguir uma muda em Ouro Preto, Diamantina... – é uma trepadeira, cactácea, com folhas feitas como couve, sempre rasgada, nunca cortada, e que tem baba como quiabo – acredite! É verdade), carne de vaca moída, bem temperada... tudo com pimenta malagueta ou comari.
Saci gosta muito de salada de folha de urtiga – de preferência aquelas novinhas (elas não coçam, só o caule). Deixe-as de molho em água com vinagre e depois é só temperar a gosto. Outras comidas do Saci:
Urtiga
- brotos de samambaia (prepara-se que nem quiabo)
- cambuquira (que são as flores da abobreira das quais não nascem abóboras). Elas têm uso múltiplo e o Saci as come na forma de salada, de sopa ou de recheio no omelete.
- lambari frito, bem torrado, de modo a se comer com espinha e tudo. Os bons, mesmo, são aqueles pequenininhos, que não carecem nem de limpar. Frita-se do jeito que sai do rio. Aqui, uns pingos de limão caem muito bem. E a cachaça da boa, é claro.
- fritada de bundinha de Içá (a popular Tanajura). O acompanhamento é o mesmo indicado para os lambaris.
Icá ouTanajura - Eu também amo comer esta formiguinha bunduda.
- Ingá, que é uma frutinha polpuda e doce que dá em vagens nas pontas das galhas. As galhas caem todas, e sempre, para dentro do rio e o Saci adora se dependurar nelas para catar. Ele, inclusive, deixar cair de propósito alguns caroços, pois Ingá e coisa que as traíras comem que é uma beleza.
Ingá
Além disso, um dos principais pratos apreciados pela sacizada: a paçoca de carne. É feita no pilão, com carne seca, farinha de milho, sal e temperos. Pode ser comida com feijão e arroz, além de outras misturas, ou levada em viagens, pois não estraga.
E mais algumas coisas:
- taioba (a folha, refogada como couve - cuidado pra não pegar taioba brava);
Taioba
- trevo (isso mesmo, aquele trevinho que dá em qualquer lugar é gostoso nas saladas)
- paçoca de amendoim - é a tradicional paçoquinha, só que feita em casa, no pilão. Ela fica uma espécie de farofa, tem que ser comida com colher;
- suco de graviola
Graviola
- suco de maracujá (este exige um cuidado: a semente, se quebrada, tem um pó tóxico dentro. O jeito certo de fazer é não ligando o liqüidificador pra "bater" a semente, é ligando-desligando rapidamente, várias vezes, só pra descolar a polpa da semente. Depois disso, coar...)
De sobremesa, rapadura, pé-de-moleque (não esses feitos com Karo e amendoim inteiro – é de rapadura derretida, misturada com amendoim moído), doce de casca de laranja, doce de cidra (de preferência com rapadura, em vez de açúcar, fica amarronzado), banana assada com canela, banana cozida com mel e canela, bananada, goiabada cascão com queijo ou frutas como goiaba, manga, juá, pitanga, gabiroba, amora do mato, cabeludinha, fruta-do-conde...
Pé-de-Moleque
Depois disso tudo, é preciso um cafezinho e um cigarrinho de palha – de preferência numa rede ou num banco virado para um lugar bonito, pra fumar calmamente, olhando a paisagem – isso depois do almoço, claro. À noite, depois do jantar, com direito ao cafezinho, o cigarro de palha é pra acompanhar um proseado, uma contação de causos (incluindo de assombração). Se tiver alguém que toque bem uma viola, melhor ainda. Entre um causo e outro, uma música. Tem que ter um bom puxador de conversa pra que cada um conte seu causo.
Ah... não se esqueça do lanche da tarde: uma espiga de milho assada ou cozida, um chá ou café com quitanda (quitanda aqui, no sentido mineiro: broas, biscoitos, roscas...).


BROINHA DO SACI

1 xícara de leite
1 xícara de farinha de trigo
1 xícara de fubá
1 xícara de açúca
1/2 xícara de óleo
2 ovos
1 pitada de sal
1 colher de fermento em pó
Queijo ralado para polvilhar

Bater todos os ingredientes no liquidificador, exceto o fermento em pó que deve ser adicionado por último. Coloque em uma forma untada e enfarinhada. Polvilhe o queijo ralado por cima. Leve ao forno quente por aproximadamente 40 minutos ou até dourar.

PAÇOCA DE CARNE SECA
• 1 kg de carne-seca, carne-de-sol ou charque
• 1 kg
 de bacon
• 100 g de cebola
• 70 g de alho
• 1 kg de farinha de milho
• 200 g de farinha de mandioca
• Óleo, sal e pimenta a gosto

Prepare assim: Cozinhe a carne, duas ou três vezes, de modo que fique bem mole; Tire o couro do bacon, corte-o em pedaços médios e frite-o em óleo deixando-o bem frito. Retire-o da panela e reserve; Na mesma panela, frite a carne até que fique bem frita; Num pilão, misture a carne, o bacon, o alho, a cebola e os temperos e vá adicionando as farinhas aos poucos




sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Bolo Mulher Afro-Descendente com problema mental, vulgo Bolo Nega-Maluca - pro Dinger.

Já fazia tempo que eu procurava alguma receita bacana pra dedicar a um amigo que arrumei meses atrás: João Guilherme Werneck; vulgo Dinger – pro mais chegados.
Numa das crises de stress dele, enquanto ele resolveu passar uns dias no sítio de um familiar, se entupia de brigadeiro. Enquanto falávamos por MSN eu lhe prometi postar algo  no meu  blog que ele pudesse matar o desejo por doce e que, ao mesmo  tempo, fosse um doce que ele pudesse comer tendo as taxas de açúcar controladas – isso pelo fato dele ser diabético.

Com este contexto e sabendo de um bolo que ele muito aprecia - o Bolo Nega Maluca, resolvi  hoje dedicar este post pra ele e aproveitar para esclarecer a origem do bolo o qual ele tanto gosta. Pois garanto que ele não sabe sobre a origem da iguaria srsrsrsrsrrs E ainda, aproveito para deixar a receita de um bolo que ele possa fazer e comer com tranquilidade. Dinger, esta é pra você.
Antes  porém, vou começar  este texto com uma leve critica em forma de piada. srsrsrrsrsrs

Uma senhora entra numa confeitaria e pede ao balconista um bolo "nega maluca". O balconista diz à cliente que usar o nome "nega maluca", hoje em dia,pode dar cadeia, DEVIDO A:
- Lei Affonso Arinos;
- Lei Eusébio de Queiroz;
- Artigo Quinto da Constituição;
- Código Penal;
- Código Civil;
- Código do Consumidor;
- Código Comercial;
- Código de Ética;
- Moral e Bons Costumes,
- Além da Lei 'Maria da Penha' .

- Então, meu filho, como peço essa porra de bolo?

- Bolo Mulher Afro-descendente com problema mental. Respondeu o Balconista seriamente.

Mas vamos ao que interessa.
A maioria dos chocólatras, assim como eu, já provaram, ao menos uma vez  na vida, de um bolo chamado “Nega maluca”. E apesar da maioria das pessoas saberem de quais ingredientes ele é feito, é uma raridade encontrar quem saiba dizer o porquê do  nome.

A maioria das pessoas que indaguei sobre o assunto  me davam sempre a mesma resposta: que o  bolo se chamava assim porque o chocolate dava a cor escura, como a cor negra; ou, que acreditavam que era uma negra quem fazia o  bolo. Mas aí eu perguntava: e de onde vem o termo MALUCA? Será que o bolo deixava a nega maluca enquanto ela o preparava? Sem resposta plausível de ninguém, fui pesquisar.


Pelo que se sabe o  bolo nega maluca é realmente brasileiro. Mas sua feitora seria legitimamente africana. Ela veio para o Brasil logo que foi  vendida, na África, como escrava para uma família de São Paulo, todos chamavam ela de Nega maluca, pelo fato dela não falar a nossa língua e assim sendo, ninguém conseguia entender nada do que ela falava. Reza-se a lenda, que um dia ela batia um bolo, e descuidada, acabou derramando doto o achocolatado da patroa dentro da massa, mesmo assustada como o ocorrido, a Nega misturou tudo  e levou a o forno. E depois só se soube da delicia que a nega maluca tinha criado

OUTRAS NEGAS-MALUCAS DA HISTORIA.

Diretamente do Brasil colonial, surge uma importante figura  feminina nas Minas Gerais: Chica Silva.  Ela era considerada uma verdadeira nega maluca por  praticar atos impensados para uma negra no Brasil de sua época.  Em 1754, Chica da Silva foi adquirida, ou alforriada, pelo novo contratador de diamantes João Fernandes com o qual passou a viver sem que nunca tivessem se casado oficialmente. Por ter se casado com um homem que diziam ter uma fortuna maior do que o Rei de Portugal, Chica da. Silva começou a virara mito atraves de “suas loucuras” estravagantes ocorridas no Arraial do Tijuco – atual Diamantina.
Chica da Silva
E dentre os  fatos pelo quais a chamavam de louca, sendo este o menor dos adjetivos lhe conferido, pode-se citar: seu um invulgar apetite sexual que utilizou para seduzir vários homens poderosos; sua crueldade ímpar, sendo apelidada de Chica Mandona e de Chica que manda à época. Utilizava o medo para obter a saciedade de seus luxos e prazeres; O pedido feio ao seu marido o contratador para que ele lhe construísse um palácio com vinte e um cômodos, onde havia um jardim com plantas exóticas e cascatas artificiais. Como não conhecia o mar, João Fernandes mandou formar um lago artificial. Mandou ainda construir um navio à vela, com capacidade para dez pessoas, que navegava no lago transportando os convidados das grandes festas que oferecia à sociedade local. Essas festividades eram animadas por uma orquestra particular e pelas apresentações de um teatrinho de bolso; e, Para não ter o seu sono perturbado pelo dobrar dos sinos da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, erguida em 1765 com o auxílio do contratador João Fernandes, Chica da Silva teria imposto a mudança de posição da torre.


Voltemos a 1955. Uma negra chamada Rosa Parks vivia no Alabama – RUA. Naqueles tempos que não são tão distantes assim de hoje, os negros tinham que ceder seus lugares aos brancos nos transportes coletivos. O que hoje soa como sandice era lei naquele país. Pois um dia a Rosa ficou maluca. Disse ‘não’ ao branquelo que exigia seu lugar no ônibus. A costureira de quarenta e dois anos não tinha ideia do que tinha acabado de fazer. Foi multada e presa. E seu desafio deu origem a um longo boicote ao sistema público de transportes da cidade, encabeçado por um pastor até então quase anônimo chamado Martin Luther King. O resto é história. Foi a Rosa que, sem saber, preparou a massa do bolo. King adicionou fermento e o pôs no forno.

No Brasil mais atual, outra negra, nascida nos anos em que a arte da dona Parks ainda ecoava, também teve dias de se amalucar. Marina Silva, a senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, que nasceu no Acre e foi semi-analfabeta até os dezesseis anos, sonhava com a faculdade. “Está maluca”, talvez alguns tivessem dito. Mas ela foi lá. Bacharel em história, a Marina chegou ao ministério e disse ao que veio. Um dia ela ficou maluca: mas quanta pressão, meu Deus. E pediu as contas. Para que a batata não assasse demais. No caso, o bolo.

Bolo Nega Maluca para celíacos, diabéticos ou com qualquer outra restrição alimentar
Ingredientes: 4 ovos; 130g de açúcar (1 xíc. de chá); 220g de farinha de arroz
50g de polvilho doce; 5g de goma xantana (ou mix de goma guar + xantana); 130g de chocolate em pó (1 xíc. de chá); 1 pitada de sal; 200ml de óleo de milho ou canola; 200ml de água; 18g de fermento em pó
 Recheio e cobertura: 260g de açúcar; 100g de chocolate em pó; 120g de margarina; 1 caixa de creme de leite de soja (200g)
Preparo: Bater os ovos com o açúcar até ficar uma gemada bem cremosa. Bater bastante (a gemada cresce e fica bem aerada). Colocar em seguida todos os ingredientes na batedeira, menos o fermento em pó, e bater para misturar bem. Desligar a batedeira, colocar o fermento em pó, misturar um pouco e depois bater com a batedeira por alguns segundos, para que o fermento fique bem integrado à massa. Despejar numa forma untada com margarina e polvilhada com farinha de arroz.Assar em forno médio (180 graus) por 40 minutos. Preparo do recheio do bolo/ Bater os três primeiros ingredientes na batedeira até formar um creme. Por último colocar o creme de leite de soja e bater mais um pouco. Quando o bolo estiver frio, cortá-lo em duas ou três camadas e recheá-lo com esse creme. Colocar o restante do creme por cima do bolo e espalhar chocolate granulado sem glúten (encontra-se em supermercados) ou se quiser pode enfeitar com morangos frescos.

Bolo Nega maluca Diet
Massa: 4 ovos; 1 xíc (chá) de adoçante para forno e fogão;  2 xíc (chá) de farinha de trigo; 1 xíc (chá) de achocolatado diet; 1 xíc (chá) de óleo; 1 xíc (chá) de água quente; 1 col (sopa) de fermento químico em pó
Cobertura: 2 col (sopa) de margarina light; 5 col (sopa) de achocolatado diet; 3 col (sopa) de leite desnatado; 2 col (sopa) de adoçante para forno e fogão
Modo de preparo: Massa: Coloque os ovos e o adoçante na batedeira e bata por aproximadamente 3 minutos. Em seguida acrescente a farinha e o achocolatado intercalando com o óleo e a água quente. Bata até ficar uma massa homogênea. Junte o fermento e misture bem. Despeja em uma fôrma retangular média (30cmx22cm) untada e enfarinhada. Leve ao forno pré-aquecido (180ºC) por aproximadamente 40 minutos. Cobertura: Leve ao fogo todos os ingredientes, mexendo até derreter, se possível espalhe sobre o bolo ainda quente
Informações Nutricionais:
Rendimento: 27 porções
Calorias por porção: 182 Kcal
Carboidratos: 23g
Proteínas: 3g
Lipídios: 8g

BOLO  NEGA MALUCA TRADICIONAL
Massa: 2 xícaras (chá) de farinha de trigo; ½ xícara (chá) de chocolate em pó; 1 xícara (chá) de açúcar; 1 xícara (chá) de óleo; 1 xícara (chá) de água fervente; 4 ovos; 1 colher (sopa) de fermento em pó
Cobertura: 1 colher (sopa) de margarina; 5 colheres (sopa) de açúcar; 3 colheres (sopa) de chocolate em pó; 1 colher (sopa) de leite
Preparo: Bater todos os ingredientes na batedeira 9ou  no liquidificador), exceto o fermento. Depois de bater por 5 minutos, acrescentar o fermento em pó e misturar com uma colher. Despejar a mistura em uma forma untada e enfarinhada. Levar para assar em forno a  em água 180°C por aproximadamente 30 minutos. Cobertura: em uma panela, derreter a margarina, acrescentar o açúcar, o chocolate em pó e o leite e mexer bem. Despejar a cobertura sobre o bolo já desenformado e ainda quente.