quinta-feira, 19 de abril de 2012

Eis que a partir da lei surgiu o Sundae...


Inicialmente, devo confessar, que post sobre o “Vaca Preta” foi o responsável pela criação da publicação de hoje... Que vem falando de uma delícia gelada bastante comum de se encontrar desde os restaurantes mais requintados até nas gondolas e freezers dos supermercados: o sundae.


O Sundae é uma das sobremesas típicas das famílias nos Estados Unidos. Basicamente consiste de bolas de sorvete cobertas com caldas ou xarope de sabores variados, podendo ainda receber cobertura extra de amendoim, castanha, cerejas, dentre outras.
O Sundae é tão popular que no dia 3 de abril desde anos a página principal do buscador Google comemorou o 120º aniversário dessa deliciosa sobremesa – e estava lá esta imagem:

Das muitas histórias de invenção do sundae, a mais comum é a condenação por parte da comunidade protestante de consumo nos domingos (Sunday, em inglês) do ice cream soda e daí a preparação de um substituto popular para consumo neste dia.
A origem do termo é controversa. Várias cidades americanas se dizem como o local de surgimento do verdadeiro sundae de sorvete. Entre estas cidades estão: Ithaca, New York; Two Rivers,Plainfield, Evanston, New Orleans, Cleveland, Buffalo.
Mais recentemente, as cidades de Two Rivers e Ithaca têm usado da controvérsia para atrair publicidade em favor do turismo local.
O primeiro sundae documentado teria sido criado há 119 anos, nos Estados Unidos da América, no dia 3 de abril, ao meio-dia de 1892, em uma sorveteria de Ithaca, por John M. Scotte e Chester Platt.

A origem e suas controvérsias

Marco histórico de Two rives como o local de origem do Sundae. Two River, WI.
A origem do termo sundae é obscura, porém, compreende-se que geralmente a grafia "sundae" deriva da palavra domingo (a partir do nome alemão Sonntag, que significa domingo).
Entre as muitas histórias sobre a invenção do sundae, a mais frequente (e aceitável)  é que a sobremesa surgiu em contravenção às chamadas leis azuis de domingo, que pregava contra o consumo de ice cream soda,  no domingo (o último inventado por Robert M. Green, na Filadélfia, Pensilvânia, em 1874 [1]). As leis religiosas era dirigida aos farmacêuticos  e recomendava que eles produzissem um substituto para estes mimos populares para consumo no domingo. De acordo com essa teoria da origem do nome, a grafia foi alterada para que o sundae não ofendesse as  convenções religiosas. 
Em apoio a esta idéia, afirma  Peter Bird wrote in The First Food Empire: A History of J. Lyons and Co. (2000) que o  nome "sundae" foi adotado como resultado da proibição do Estado de  Illinois quanto ao consumo de sorvete aos domingos, porque sorvete que contivesse cobertura que obscurecesse  o produto principal não era considerado sorvete. No entanto, de acordo com a documentação publicada pela Evanston,  Biblioteca Pública de  Illinois, foi o consumo de soda e  não o consumo de sorvete, que foi proibido aos domingos, em Illinois. [2]
Outras histórias de origem para o foco sundae na novidade ou inventividade do tratamento ou o nome do cedente, e não faz nenhuma menção de pressões legais.


Ithaca Daily Journal, May 28, 1892

Origens contestadas

Várias localidades americanas têm reclamado de ser o berço de nascimento para o  sundae. Dentre estas incluem-se  os requerentes Ithaca, New York; Two Rivers, Wisconsin; Plainfield, Illinois; Evanston, Illinois; New York City; New Orleans, Louisiana; Cleveland, Ohio; and Buffalo, New York..

Two Rivers, Wisconsin in 1881

A reivindicação de Two Rivers  é baseada na história de George Hallauer que pediu para Edward C. Berners, proprietário da Berners' Soda Fountain, para regar seu sorvete com xarope de chocolate  em 1881.
Berners eventualmente fez o que  o sujeito pediu e depois acabou vendendo o resultado por um níquel, inicialmente apenas aos domingos, mais tarde todos os dias.
Segundo esta história, a grafia mudou quando um vendedor de vidro sugeriu que fosse servido em pratos na em forma de canoa.  Quando Berners morreu em 1939, o Chicago Tribune colocou a seguinte manchete seu obituário Man Who Made First Ice Cream Sundae Is Dead."[3][4]
Estudantes Ithaca High School, no entanto, afirmam que Berners teria apenas 16 ou 17 anos em 1881 e, portanto, é "improvável" que ele tenha possuído uma sorveteria nesse ano. Eles também afirmam que a data do  obituário de Berners tenha sido em  1899 ao invés de 1881. [5]
Moradores de  Two Rivers contestaram as afirmações de outras cidades para o direito de reclamar o título de "berço do sundae". Quando Ithaca, o prefeito de New York Carolyn K. Peterson proclamou o dia para comemorar a sua cidade como o berço do sundae, ela recebeu cartões postais de cidadãos de  Two Rivers reiterando alegação da sua cidade. [6]

Evanston, Illinois in 1890

Evanston foi uma das primeiras localidades a obedecer a lei azul que proibia a venda de  ice cream soda em 1890.  "Alguns ingênuos pasteleiros  e farmacêuticos [em Evanston]... obedeciam à lei, servido sorvete com  calda/ xarope de sua escolha, sem soda. Cumprindo assim com a lei ... Como as vendas da sobremesa continuaram nas segundas-feiras, os líderes locais, em seguida, opôseram-se nomear o prato de Sabbath (sábado), ntao a grafia do nome foi mudado para sundae. [7]

Ithaca, New York in 1892

Apoiando a reivindicação  Ithaca de ser "local de origem do sundae",pesquisadores do History Center in Tompkins County, New York, forneceram uma explicação de como o sundae veio a ser:
No domingo, 3 de abril, 1892 em Ithaca, John M. Scott, um ministro da  Igreja Unitáriana , e Chester Platt, co-proprietário da Farmácia & Platt Colt, criaram o primeiro sundae historicamente documentado. [5] [8] Platt cobriu  sorvetes com calda de cereja e incluiu cerejas cristalizadas para dcorar. Os homens chamaram o prato "Cherry Sunday" em homenagem ao dia em que foi criado.
A evidência mais antiga conhecida da escrita de um sundae é  d Platt & Colt que incluiram a recita do " Cherry Sunday  "  no Ithaca Daily Journalm em 5 de abril de 1892.
Em maio de 1892, a Platt & Colt soda fountain também servia " Strawberry Sundays ", e mais tarde ", Chocolate Sundays ". Os sundaes Platt & Colt se tornaam tão populares que em 1894, Chester Platt passou usar apnas o trmo sunda na sua marca. [9]

Plainfield, Illinois

Plainfield, Illinois também afirma ser o berço do primeiro sundae.
A crença local é que um farmacêutico de Plainfield chamado Mr. Sonntag criou o prato "depois dos apelos de clientes para servir algo diferente." Ele o chamou de  "Sonntag", como a si mesmo, Sonntag significa domingo, em alemão. Mais tarde o nome foi traduzido para sundae. [10] embora não se tenha data específica  para essa afirmação.

Tipos de sundaes

Classic ice cream sundae



O sundae original consiste de sorvete de baunilha coberto com um molho ou xarope de sabor a escolher, chantilly e uma cereja marasquino.  O sundae clássico é tradicionalmente servido em uma tulipa de vidro, com pés. Atualmente este tipo de  copo é denominado de sundae glass.

Fresh fruit sundaes



Fruta frescas fatiada ou picados que tenham sido pré-açucarada e deixar apurar a calda por uma hora ou mais para formar um xarope doce pode ser substituído por molhos aromatizantes ou xarope do sundae clássico. Sundaes de frutas frescas incluem variações nomeados, como o morango, pêssego, framboesa, mirtilo,amora, e sundae de frutas misto. Sundaes de frutas frescas são geralmente servido durante os meses de Verão, e às vezes são anunciados como ofertas especiais em áreas agrícolas onde as frutas são cultivadas

Heated Sauce Sundaes



Sundaes molho aquecidos são aqueles em que o molho aromatizado ou xarope é aquecida antes de ser vertida em cima do sorvete, a criação de diferenças de temperatura atraentes, bem como a textura.

Hot fudge sundae



O sundae de chocolate quente é uma variação do clássico sundae e muitas vezes é uma criação de sorvete de baunilha, granulado, calda de chocolate quente (daí o "hot fudge"), chantilly, nozes e um único vermelho-brilhante marasquino cereja no topo . Um hot fudge sundae pode ser feita com qualquer sabor de sorvete

Double fudge sundae





O fudge sundae duplo é como um sundae com calda quente, exceto que ele é duas vezes maior e é servido em um pratos de vidro ou em forma de barca. É feita a partir dos mesmos ingredientes que um sundaefudge, mas também inclui caldas  adicionais, bem como cremes  batidos, nozes opcionais ou granulado, e cereja maraschino no topo.

Caramel sundae



Esta é uma variação do sundae de chocolate quente em que o molho de caramelo aquecido substitui o molho de chocolate aquecido. Os outros ingredientes permanecem inalterados.

Turtle sundae



A popular combinação de sorvete de baunilha, doce quentes e molhos quentes de caramelo e nozes tostadas é conhecido como um sundae tartaruga. O nome deriva de um doce popular chamado uma tartaruga, que consiste de nozes cobertas com caramelo e depois mergulhados no chocolate.

Butterscotch Sundae





Esta é uma variação do sundae de chocolate quente em que o molho de manteiga substitui o molho de chocolate aquecido. Os outros ingredientes permanecem inalterados.

Black and white sundae





Este apresenta um sundae de sorvete de baunilha com molho de chocolate e uma bola de sorvete de chocolate coberta com uma generosa porção de marshmallow cremoso.

Brownie sundae



Este é  servido com brownies, sorvete de baunilha, calda de chocolate, amendoim, chantilly, coberto frequentemente com cereja ao marasquino.

Banana Split



Esta sobremesa consiste em três bolas de sorvetes, lado a lado entre duas metades de uma banana, cortada longitudinalmente. A banana split clássica consiste de sorvete de morango coberto com calda de chocolate, sorvete de chocolate coberto com abacaxi picado, e sorvete de baunilha coberto com calda de morango. Cada colher é individualmente decorado com chantilly e uma cereja ao marasquino.

American parfait





Este é um sundae servido em um copo alto cheio de camadas de sorvete, gelatina, e aromas, como xaropes, chantilly, granola, frutas frescas e / ou licores.

Knickerbocker glory



Este é um sorvete servido em um copo grande, constituída por camadas de sorvete, geléia e creme, coberto com calda, nozes, chantilly e uma cereja muitas vezes, é popular no Reino Unido.

O sundae mais caro



Ao preço de 1.000 dólares, o sundae mais caro do gelo é o Serendipity Golden Opulence Sundae, vendido por restaurante Serendipity 3 em Nova York. [11] A sobremesa é composta por cinco bolas de sorvete de baunilha do Taiti infundido com baunilha de Madagascar , coberta de 23-quilates folha de ouro comestível, servidos na rara Amedei Porcelana com chocolate Chuao, caviar americano de Ouro, maracujá, laranja, Armagnac, frutas cristalizadas a partir de Paris e cerejas, marzipan, e decorado com dragées em ouro. O sundae é servido em uma taça de cristal Baccarat Harcourt com uma colher de ouro de 18 quilates. [12]


Referências
1.         "Soda beverages in Philadelphia" American druggist and pharmaceutical record 48: 163. 1906.
2.         "Origin of the Ice Cream Sundae".". Evanston Public Library. Retrieved 2010-01-10. "Some ingenious confectioners and drug store operators, in "Heavenston," obeying the law, served ice cream with the syrup of your choice without the soda. Thereby complying with the law. They did not serve ice cream sodas. They served sodas without soda on Sunday. This sodaless soda was the Sunday soda. It proved palatable and popular and orders for Sundays began to cross the counters on Mondays"
3.         "Man Who Made First Ice Cream Sundae Is Dead". Chicago Daily Tribune: pp. 1. July 2, 1939.
4.         "Two Rivers - The Real Birthplace of the Ice Cream Sundae". Two Rivers Economic Development. Retrieved 2007-06-26. "The ice cream sundae story dates back to 1881 when chocolate sauce was used to make ice cream sodas at Ed Berners' soda fountain at 1404 15th Street. One day, a vacationing George Hallauer - a Two Rivers native then living in Illinois - asked Berners to put some of the chocolate sauce over a dish of ice cream. According to a 1929 interview with Berners, he apparently didn't think it was a good idea."
5.         "New intel in the sundae wars: IHS grads scoop up ice cream facts".Ithaca Journal. 2007-07-26. Retrieved 2007-07-26.[dead link]
6.         Laura Zaichkin (June 30, 2006). "Sundae wars continue between Ithaca and Two Rivers". Ithaca Journal.
7.         "The origin of ice-cream"BBC. 2004-09-07. Retrieved 2010-01-10. "Ice Cream sundaes were invented when it became illegal to sell ice-cream sodas on a Sunday in the American town of Evanston during the late 19th century. To get around the problem some traders replaced the soda with syrup and called the dessert an "Ice Cream Sunday." They replaced the final "y" with an "e" to avoid upsetting religious leaders…"
8.         "Ithaca's Gift to the World". Retrieved 2011-11-27.
9.         "Documenting Ithaca New York as the Home of the Ice Cream Sundae". Ithaca Convention & Visitors Bureau. 2007. Retrieved 2007-08-20. "On Sunday afternoon, April 3, 1892, after services at the Unitarian Church, Reverend John M. Scott paid his usual visit to the Platt & Colt Pharmacy in downtown Ithaca. Shop proprietor, Chester C. Platt, was church treasurer and he met often with Scott for conversation after services. Seeking refreshment for himself and the reverend, Platt asked his fountain clerk, DeForest Christiance, for two bowls of ice cream. But instead of serving the reverend plain vanilla, Platt took the bowls and topped each with cherry syrup and a candied cherry. The finished dish looked delightful and tasted delicious—so much so that the men felt obliged to name the new creation. After some debate, Scott suggested that it be named for the day it was created. Platt concurred and the first "Cherry Sunday" was born."
10.       "Village of Plainfield Historical Information Directory" Retrieved 2011-04-03. "Plainfield is also claimed to be the home of the very first ice cream sundae. Story says that a Plainfield druggist created the novelty after the urgings of patrons to serve something different. Topping some ice cream with syrup, he named it the "sonntag" after his surname. Sonntag means Sunday in German, thus the ice cream sundae was born."
11.       "Serious Food" Serendipity3. Retrieved 2006-06-26.

Ice cream soda

1 colher de sopa de cobertura de morango
1 bola de sorvete de morango
1/2 garrafa de soda limonada gelada
Chantilly

Preparo: Coloque a cobertura no fundo de 1 copo alto. Bata o sorvete com a soda no liquidificador. Despeje tudo no copo e decore com o chantilly. Depois, é só tomar com canudinho.






Sundae Caseiro

Ingredientes
1 pote de sorvete de baunilha
200g de chocolate
150ml de creme de leite fresco
75 gramas de manteiga (marca que preferir)
100 gramas de açúcar mascavo
200 ml de leite
150 gramas de suspiro

Modo de preparo Primeiro deixe o sorvete na geladeira, para manter uma temperatura que o deixe somente cremoso. Pegue uma frigideira antiaderente e derreta um pouco de margarina, depois despeje o açúcar mascavo até obter uma aparência de caramelo. Logo após esse processo, aos poucos vá adicionando o leite, tudo isso para obter um caldo espesso parecido com a calda de caramelo dos sundaes do Mc Donalds, reserve. Agora em um tachinho (panela de cobre) ou se não tiver em uma panela de inox, aqueça o creme de leite fresco até levantar fervura, depois junte o chocolate que pode ser o comum ao leite ou meio amargo e misture bem até formar um caldo homogêneo. Deixe esfriar um pouco. Nesse processo esmigalhe o suspiro e junte com o caldo de chocolate feito no passo anterior e misture juntamente com o sorvete cremoso, faça isso até os ingredientes ficarem mais firmes e coloque em uma taça para servir.
Já na taça, para completar a receita de sundae caseiro despeje aquele caldo de caramelo e bom apetite!

terça-feira, 17 de abril de 2012

Turismo Gourmand: O luxo e a gastronomia como vetores para o apetite de viajar.


Boa tarde! Amigos confrades, hoje é dia de comemoração. Pois mais um artigo meu foi  publicado numa importante revista cientifica brasileira. Trata-se de:

Turismo Gourmand: O luxo e a gastronomia como vetores para o apetite de viajar.  Publicado  na Revista Turismo & Sociedade. Curitiba, v. 5, n.1, p. 310-339, abril de 2012. (ISSN: 1983-5442), Departamento de Turismo da Universidade Federal do Paraná (Curitiba, Brasil).


É sempre bom dividir com os amigos as coisas boas. E agradecer, sobretudo ao editor responsável pela revista, Miguel Bahl, pela atenção e ajuda.
Para comemorar esta conquista deixo uma receitinha superclássica, principalmente no território italiano, LE OLIVE FRITTE – olivas fritas.Garanto qu e esta receita fará um enorme sucesso nas suas comemorações também, por ser um aperitivo simples de ser preparado e com um ar gourmand de sofisticação.


Lembrando que esta receita eu consegui através do http://www.lamiadolcevita. com.br /blog/tag/comidas/, e faço dele as minhas recomendações finais: já encontramos azeitonas recheadas no supermercado: com amêndoa, pimentão vermelho, alho… Se for possível, procurem as importadas (italianas e gregas) que são enormes e bem saborosas!


OLIVE FRITTE

Ingredientes:
10 azeitonas verdes grandes, sem caroços
1 ovo
100 g de farinha de rosca
50 g de queijo de cabra boursin
10 g de nozes sem casca, torradas e picadas
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo: Misture o queijo, as nozes, o sal e a pimenta. Reserve. Quebre as azeitonas para recheá-las. Dica do chef: basta pressionar as azeitonas com a ponta dos dedos para que se abram de um dos lados, como uma rachadura. Coloque uma pequena porção de recheio em cada azeitona, de modo a não permitir que vaze. Passe as azeitonas já recheadas na farinha de rosca, no ovo ligeiramente batido e, depois, novamente na farinha. Frite em óleo de amendoim bem quente, escorra e sirva. 


sexta-feira, 13 de abril de 2012

Saudades da vaca preta...


E o que são estas noites quentes de abril? Não  há dúvidas que o  mundo está virando uma estufa! E Fortaleza deve ser uma das mais quentes.
Este calor infernal me fez desejar uma bebidinha que já foi hit das lanchonetes, sorveterias e afins, nos anos 60, 79 - e acabou sendo esquecida nos anos 80: a Vaca Preta (quem se lembra?).


Guloseima gelada, líquida e de coloração marrom a  vaca preta é preparada à base de sorvete e de refrigerante sabor cola. Geralmente servida como drink refrescante, podendo inclusive ser utilizada como sobremesa.
O nome da bebida é uma referência aos seus ingredientes: vaca refere-se a leite (um dos componentes do sorvete), preta refere-se à coloração escura de todo refrigerante sabor cola.
A vaca preta era a bebida predileta da personagem de quadrinhos Luluzinha. Com o sucesso, no Brasil da década de 60, das histórias da turma do Bolinha (também conhecida como "turma da Luluzinha"), a bebida rapidamente se tornou tão conhecida quanto a personagem.



Atualmente, não é mais comum  encontrar vaca preta no cardápio das lanchonetes e sorveterias, ao contrário do que ocorria no Brasil das décadas de 60,70 e 80.
De acordo com CHAMBERLAIN (1983), nos Estados Unidos a bebida mais similar seria o ice cream soda (ou simplesmente float). No Brasil, um anglófono diria que esta bebida se trata de um ice-cream-and-cola float.



Nos Estados Unidos a bebida (refrigerante de cola mais sorvete) é conhecida como "chocolate cow" ou "brown cow", sendo a Vaca Preta ("black cow") o resultado da mistura de root beer e sorvete de baunilha.
Confesso que, particularmente, o nome original não me interessaria muito. O resultado da mistura é que me “faz um bem!” – como diria o slogan da Coca no seu inicio em solos brasileiros.

Só para não esquecer:
A Coca-cola, chegou ao Brasil em 1941, durante a Segunda Guerra. Primeiro em Pernambuco, onde havia uma base americana. Apenas para servir às forças armadas. Porque o proprietário da empresa, Ernest Woodruff, em um arroubo patriótico, decidiu que todo soldado americano deveria poder comprar o refrigerante, em qualquer lugar, pelos mesmos 5 cents que pagavam nas esquinas de suas casas. Pouco importava o custo. E logo a garrafinha se converteu em símbolo do orgulho americano. Para o bem e para o mal.



No Recife, a produção começou na Fabrica de Água Mineral Santa Clara, mas logo se espalhou por todo o Estado e chegou a Natal - produzidos em mini-unidades, e a partir de kits importados. A primeira fábrica "de verdade" foi instalada no Rio de Janeiro - na Rua Conde de Leopoldina, em São Cristóvão. O concentrado e o gás, que vinham dos Estados Unidos, eram misturados em um enorme tanque de 300 litros, usando colheres de pau feitas com peroba do campo - madeira que não deixa gosto nem cheiro. Só no primeiro dia foram vendidas 1.843 caixas.


Coke's Float
O primeiro slogan, por aqui, apenas reproduzia o americano "A pausa que refresca" (1942). Depois veio aquele que é considerado, até hoje, o melhor de todos: "Isto faz um bem"(1952) - criação do consagrado romancista J.G. de Araujo Jorge. Em seguida outros, sempre ligando o produto à sua época. Como "Tudo vai melhor com Coca-Cola" (1964) - destinado a toda uma geração que ouvia Elvis Presley e Little Richard em festinhas regadas a Cuba Libre. Ou "Isso é que é" (1970) - exaltando a natureza. Ou "Coca-Cola é isso aí" (1982) - com o piano de Tom Jobim tocando "Águas de março". Até o atual "Cada gota vale a pena". "Se a alma não é pequena", poderíamos dizer como Pessoa.

Fonte: CHAMBERLAIN, Bobby J. HARMON, Ronald M. "A Dictionary of Informal Brazilian Portuguese". Georgetown University Press, 1983, 728 pp. Parcialmente disponível na internet (clique aqui)

Receita original de vaca preta

2 bolas de sorvete de creme
250 ml de Coca-Cola
Cobertura de chocolate ou caramelo para decorar
     
Preparo: No copo do liquidificador, coloque as bolas de Sorvete e coca, e bata somente até obter uma mistura homogênea. Espalhe a cobertura em um copo alto e encha com a mistura de Sorvete. Sirva imediatamente.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

O Folar de Páscoa

  
A páscoa já está aí... Ontem fui em um shopping, aqui perto de casa, e me apavorei com a multidão enlouquecida na compra pelos ovos de chocolate, das Lojas Americanas. Já no Supermercado, outro inferno, a aglomeração era para comprar bebidas, pescados e afins e mais chocolates – porque o brasileiro deixa sempre tudo pra última hora? Enfim, foi no supermercado, vendo uma senhora comprando um monte de pães de coco – elemento tradicional da páscoa aqui no Ceará, que pode ser conferido neste blog (clique aqui) que eu  tive a ideia para o post de hoje.
Já apresentei texto sobre a origem da páscoa (clique aqui), já falei sobre o luxo das famosas joias de páscoa – os ovos Fabergé (clique aqui), já esclareci o simbolismo da Colomba pascal (clique aqui) e agora venho falar de outro pão/bolo pascal – o folar.


A Páscoa é em Portugal, assim como no Brasil, é uma época que se caracteriza com a entrega de presentes cheios de simbolismo, sobretudo de natureza alimentar. O Folar, por exemplo, é um desses típicos presentes da páscoa portuguesa.  Era o presente que os padrinhos e madrinhas davam aos seus afilhados na Páscoa para quebrar o período de jejum. O Folar era também a recolha que os padres faziam nas casas dos seus paroquianos durante a visita pascal no Domingo de Páscoa. O Folar assumia-se assim como um elogio à fartura. Sem esquecer, naturalmente, que se trata de uma espécie de pão, elemento básico e estruturante da nossa alimentação.
A maioria dos dicionaristas coloca a origem da palavra «folar» no latim «floralis».  A quem sugira o étimo germânico «flado», que significa «bolo de mel»; e ainda, a quem assinara-lhe como de origem francesa «poularde». Definem o folar como sendo um bolo em forma de pinta pousada sobre um ovo, ou com um ovo em cima. Hoje são raros os casos dos folares que incluem a galinha. . O pão, que também é conhecido como bolo, simboliza o ninho, e os ovos a geração de uma nova vida, fertilidade (tal como os coelhos ) Deseja-se felicidade e prosperidade a alguém, quando se lhe oferece um folar.


Nas aldeias portuguesas o folar é um produto de padaria, bastante rústico. Nas cidades é um produto de pastelaria, com alguns melhoradores de sabor, cor, textura e de apresentação, como a gelatina e afins para o brilho, com algumas exceções. Os ovos que o cobrem são cozidos com casca de cebola para ficarem acastanhados.
E toda comida tradicional tem sempre uma boa história pra abrilhantar mais a cozinha, no momento do preparo. É a história, por trás das comidas, muitas vezes, o motivo real para o seu preparo – o simbolismo conta muito neste momento. Então, vejamos o que conta a lenda do  folar.

A Lenda do Folar da Páscoa

Esta é uma das várias lendas que a tradição guarda ciosamente sobre o folar da Páscoa. É simples como a alma do povo, pois do povo ela vem. Diz-se que é muito antiga. Todavia, não se sabe ao certo a data em que começou a circular de boca em boca.
 Numa aldeia que a tradição não menciona, uma linda rapariga, pobre mas bela, tinha uma única ambição na vida: casar cedo. Diz a lenda que ela fiava sentada à porta de casa e orava no seu íntimo a oração que já vinha de avós para mães e de mães para filhas. Era assim a oração:

Minha roquinha esfiada,
Meu fusinho por encher,
Minha sogra enterrada,
Meu marido por nascer.
Minha Santa Catarina,
Com devoção e carinho
Tomai-vos minha madrinha,
Arranjai-me um maridinho.

Embora a não entendesse bem, parecia-lhe que recitando esta fórmula antiga, que já havia casado sua mãe e sua avó, e as mães e as avós das moças da sua idade, ela seria igualmente atendida. Contudo, acrescentava sempre uma palavrinha sua, não fosse a Santa entender mal o seu desejo. E terminava, pois, dizendo:
— Santa Catarina! Bem sabeis que me quero casar, com um moço que seja belo, e forte, e trabalhador, para que não fique na miséria...

Santa Catarina
Ora bem. Tantas vezes e tão fervorosamente rezou, que Santa Catarina houve por bem fazer-lhe a vontade. E de tal modo que, de um dia para o outro, a jovem aldeã viu-se requestada por dois em vez de um pretendente! Um fidalgo lavrador, rico, educado, forte e belo, mas já passando dos trinta anos, e um jovem trabalhador da terra, belo e forte também, mas sem outra fortuna além dos seus braços, sempre prontos para o trabalho.
Marianinha não sabia como decidir-se, hesitava sobre qual dos dois devia optar. Ambos lhe agradavam. Um representava a riqueza, a segurança, a tranquilidade… O outro, a juventude plena, o gosto de viver à custa do heróico labutar do dia-a-dia…
Ambos lhe pediam uma resolução rápida. E ambos sabiam que o outro era a causa da indecisão da jovem. De modo que se viu forçada a recorrer de novo a Santa Catarina.
Ajoelhada diante da imagem da Santa sua madrinha, Marianinha falou-lhe assim:
— Ó minha Santa Catarina, ajudai-me a escolher! Ambos me querem… ambos são bons para mim… ambos me agradam… Qual deles devo preferir? Gosto da figura do Amaro, da sua juventude, do seu ar impetuoso e trabalhador… Mas também gosto do senhor fidalgo… das palavras bonitas que me diz… do seu ar pomposo e da riqueza que tem…
E escondendo o rosto nas mãos:
— Oh, minha Santa Catarina, sinto-me envergonhada e confusa!... Mas a verdade é que não sei escolher! Ajudai-me vós!
Estava ainda de joelhos quando bateram levemente à porta. Marianinha levantou-se apressada e foi abrir. Era Amaro, o jovem e possante Amaro, de olhos negros e tez morena. Sorria-lhe. Um sorriso aberto, tentador.
Marianinha estremeceu. Seria por esse que deveria optar? Mas o fidalgo era tão rico… tão delicado… tão imponente!...
Amaro despertou-a desse devaneio.
— Escuta, Marianinha. Penso que é tempo de tomares uma decisão. Ou bem que me amas… ou bem que amas o outro. Dos dois não podes gostar, acredita! Por isso, previno-te de que preciso de uma resposta tua até à Páscoa. Se até lá não me deres o sim, tomarei isso como prova de que não te interesso e ir-me-ei embora desta terra.
Ela arriscou:
— Para onde?
Ele encolheu os ombros.
— Que poderá isso importar-te? Se eu partir, é porque não me quiseste para marido.
Ela desviou o seu olhar do olhar profundo de Amaro.
— Não quero que te exponhas a perigos por minha causa!
— Seguirei apenas o meu destino!
Marianinha suspirou:
— Bem gostaria de saber qual será o meu!...
— Tu podes decidir. Porque não o fazes?
— Não sei... Tenho de pensar...
— Pensar em quê? Amas o fidalgo?
— Não sei...
— Gostas da sua riqueza?
Ela apressou-se a acrescentar.
— E das palavras bonitas que me diz!
— Dizer-te que te amo, não achas bonito?
— Acho, sim! Mas ele… ele diz isso de outra maneira!
— Cuidado, Marianinha! A voz do coração é só uma!
— Ele também gosta de mim...
— Talvez. Mas o caso não é nosso: é teu. Tu é que tens de escolher um de nós, e só um. A não ser que não ames nenhum!
Ela voltou a encará-lo.
— Não, não é isso!... Eu amo-os aos dois...
— Mentes, Marianinha! Não se amam dois ao mesmo tempo, já te disse! Por isso vê bem! Vou dar-te um prazo menos longo: quinze dias. No Dia de Ramos virei ter contigo. Até lá deixar-te-ei à vontade. Adeus!
Voltou costas bruscamente, o jovem Amaro. Marianinha sentiu-se entristecer. Ele ia zangado. Decerto que ia zangado. E se partisse? E se não mais voltasse? Encheram-se-lhe os olhos de lágrimas. Mas já a figura elegante do fidalgo se aproximava. Ela tentou disfarçar. Ele sorriu-lhe com brandura, dizendo:
— Salve, Mariana, a flor mais bela que vi sobre a Terra! Meus olhos são felizes só porque te contemplam!
Ela olhava-o enleada, sem saber que responder. Foi ele ainda quem falou:
— Que tens? Pareces atrapalhada...
Marianinha confessou:
— Na verdade, estou. Dizeis coisas tão bonitas… que mal as entendo!
Ele envolveu-a num olhar terno.
— Mariana, se decidires casar comigo, hei-de ensinar-te tudo o que sei!
— A mim?
— Claro! E que achas estranho nisso?
— Ora! Não sei… se poderei aprender!
— Aprenderás, sim! O que é preciso é saber que me queres...
Ela ficou ainda mais atrapalhada.
— Bem... O Amaro...
Ele interrompeu-a:
— Já sei. Vinha ter contigo e ouvi as suas últimas palavras. Quer uma resposta no Domingo de Ramos, não é assim?
— É, sim, senhor. Mas não sei...
— Tens de saber! No Domingo de Ramos também virei aqui. Estou certo de que saberás escolher! Eu represento o amor, a riqueza, o teu bem-estar e o da tua família. Amo-te, e não deixarei que esse amor me seja arrebatado. No entanto... se a tua escolha está já feita...
Ela apressou-se a exclamar:
— Oh, não, ainda não decidi!
— Tens a certeza?
Marianinha fitou-o. Os olhos azuis do fidalgo olharam-na bem fundo. Ela esquivou-se a essa investigação, pedindo, interiormente, à Santa sua madrinha que a ajudasse. E o fidalgo despediu-se cortês, embora com uma sombra escura no seu olhar claro.
Uma semana passou. Toda a aldeia comentava já o caso. A velha Balbina viera, de propósito, bater à porta de Marianinha para a informar:
— Sabes? Isto vai ser bonito!...
— Então que há?
— Olha! Ontem à tarde o Amaro e o fidalgo encontraram-se cara a cara.
— E depois?
— Depois... sei lá!... Falaram... discutiram. Ia sendo o fim do mundo!
— Ó minha Santa Madrinha!
— E não sabes o melhor. Ambos afirmam que tu já decidiste. Ambos se julgam escolhidos!
— Sim? Mas eu...
— Mas tu não escolheste. Isso sabemos nós! Se já tivesses escolhido, não berravam eles tanto. Mas vai ser bonito, vai!... Olha que o Amaro jurou matar o fidalgo, se te desviasse dele com as suas falinhas mansas e a sua fortuna!
Mariana tremia.
— Mas... que hei-de fazer?
— Ora! Decidires-te!
— Mas como?... como?...
Marianinha cobriu o rosto com as mãos. Chorava. A velha Balbina meneou a cabeça e comentou enquanto se afastava:
— Está doida, esta rapariga! Nem sequer já sabe de quem gosta!
E o Domingo de Ramos chegou. Toda a gente da terra esperava ansiosamente esse dia. Marianinha velara toda a noite, orando. Estava pálida, enervada, fechada num mutismo assustador.
As horas da manhã passaram. Marianinha não saiu de casa. De súbito, a velha Balbina voltou a bater-lhe à porta, mas desta vez muito aflita.
— Marianinha! Vem depressa que eles matam-se! Encontraram-se no caminho… à beira do barranco… ambos vinham para cá...
Marianinha abriu os olhos, aterrada.
— Onde estão eles?
— Junto ao rio! Não sei como aquilo começou... Está lá muita gente... mas ninguém os aparta!
Chorando alto, Marianinha afirmou:
— Vou lá eu!
— Mas não te demores, mulher! Um deles cairá morto!
Aterrada, Marianinha saiu correndo. O rio ficava perto. Ofegante, chorando convulsivamente, ela estacou ante a luta feroz em que os seus dois pretendentes pareciam empenhados. Mal conseguiu gritar:
— Parem! Parem! Não se matem, pelo amor de Deus!
Mas para aqueles homens dir-se-ia que nada mais existia à sua volta do que cada um deles. Marianinha pôs as mãos:
— Santa Catarina! Valei-me!
De súbito, deu por si a correr para o barranco, gritando:
— Amaro! Amaro!
A este grito, os dois homens pararam de lutar, Amaro correu para Marianinha, abraçando-a. O fidalgo recompôs o vestuário, e sem uma palavra voltou para o seu solar. O povo olhava-os sem nada dizer. Ficaram assim alguns segundos. Depois, todos correram em bando a abraçar o jovem casal.
Véspera de Páscoa. Marianinha e Amaro tinham combinado para breve o casamento. Todavia, a rapariga não andava feliz. Do fidalgo ninguém mais vira a sombra. Mas dizia-se à boca pequena que no dia do casamento ele havia de aparecer para matar o Amaro. Era como uma nuvem negra a toldar o sol dessa alegria nascente!
Atormentada, Marianinha não se deitou nessa noite. Chorava e rezava. Pedia perdão de ter sido a causadora dessa inquietante situação. Fora a ambição que a toldara. Mas agora via claro. E queria que tudo acabasse em bem. Pedia então, entre soluços:
— Ó minha Santa Catarina! Vós, que estais tão perto de Deus, falai-Lhe por mim e pedi-Lhe que me perdoe e me dê uma prova desse perdão!
Foi então ao que se diz — que ela viu a imagem sorrir-lhe...
Marianinha tomou alento. Manhã cedo saiu para o campo. Apanhou flores e colocou-as no altar de Deus. Chegada a casa estacou, surpreendida.


Sobre a mesa das refeições estava um grande bolo com ovos inteiros dentro e rodeado de flores. Flores iguaizinhas às que ela levara ao altar. Julgando ter sido oferta de Amaro, correu a casa dele. Mas encontrou-o no caminho. Também ele ia a casa da noiva. Tinha encontrado, na sua mesa, sem saber quem o levara, um bolo semelhante ao de Marianinha. Resolveram ir para casa da jovem. E comentaram:
— Quem poderia ter sido?
Marianinha não respondeu. Mas sorriu. Amaro indagou:
— Porque sorris?
Ela olhou a imagem de Santa Catarina e explicou:
— Sabes... Eu ontem orei muito… chorei muito... E pedi a Deus, por intermédio da Santa minha madrinha, que me desse um sinal...
— Que sinal?
— Um sinal de que estou perdoada... e de que tudo irá correr bem...
— E pensas que foi Deus que nos ofereceu o bolo?
— Não. Penso... que foi o fidalgo!
— O fidalgo? E porquê ele?
— Porque Deus quis que ele nos deixasse em paz, e me perdoasse a escolha que fiz...
Amaro concordou:
— Talvez... Só ele teria dinheiro para tão rico presente. Um bolo com ovos inteiros… e flores... Confesso que nunca vi! Onde teria ele ido buscar esta ideia?
Marianinha agarrou uma das mãos do noivo:
— Amaro! E se fôssemos agradecer-lhe?
— Achas que sim?
— Acho! É Deus que assim o quer!
— Então, vamos!
E saíram. Mas no caminho encontraram o fidalgo que lhes sorriu. Amaro apressou-se a falar-lhe:
— Senhor fidalgo, quero agradecer-vos a vossa lembrança. O que lá vai, lá vai… e isso prova a vossa grandeza de alma!
O fidalgo pareceu surpreendido.
— Amaro, eu é que tenho de agradecer a vossa lembrança. Nunca vi em toda a minha vida tão lindo bolo com flores!
O jovem casal entreolhou-se. As lágrimas afloraram aos olhos de Marianinha, que exclamou emocionada:
— Deus é grande! Deus é bom!
Apertaram-se as mãos. Separaram-se amigos. Mas só Marianinha sabia ao certo quem oferecera aqueles bolos com ovos e flores, verdadeiro presente do Céu.
Na aldeia, a nova espalhou-se. A alegria foi geral. Chamaram ao bolo — folore. Com o rodar dos tempos, o folore veio a mudar-se em folar. E aí está como o povo explica a origem dos folares da Páscoa, cuja tradição mantém tão carinhosamente, como testemunho de boa e desinteressada amizade.

Fonte: MARQUES, Gentil. Lendas de Portugal. Lisboa, Círculo de Leitores, 1997 [1962] , .Volume IV, pp. 103-108


Com esta história, termino esta postagem, deixando a receita do folar. Que a páscoa lhes traga maravilhas pra suas vidas!

Folar de Páscoa

Para a massa:
250ml de leite morno
2 colheres (chá) de fermento biológico seco
1 ovo
110g de açúcar
570g de farinha
1 colher (café) de erva-doce em pó
1 colher (café) de canela em pó
100g de manteiga ou margarina amolecida
Para decorar:
ovos cozidos em casca de cebola
1 ovo (pincelar)

Preparo: Cozer os ovos em água com cascas castanhas e secas de cebola e sal. Escorrer e reservar. Na tigela colocar a margarina amolecida, o açúcar, o ovo e bater. Acrescentar a canela e a erva-doce, o fermento e o leite morno. Bater com a colher de pau ou na batedeira com a pinha. Juntar a farinha com a colher de pau ou na batedeira com os ganchos da massa. Deixar levedar, tapado com um pano e cobertor, sensivelmente 1h30 ou até duplicar de volume. Depois, separar  um pedaço de massa equivalente a uma tangerina, para a decoração.Dividir a massa, para dois folares, ou tomá-la toda, para um só folar, e na pedra enfarinhada moldar uma bola com a massa do folar, enrolando os lados para baixo e para dentro, tornando a superfície lisa. Enfarinhar um tabuleiro forrado com papel vegetal ou tapete de silicone e moldar o folar. Com a mão fazer no centro as covas para os ovos. Colocar os ovos fazendo pressão para que se enterrem. Dividir a massa, que foi separada para decoração, em número igual ao dos ovos usados e fazer rolinhos em cada porção. Dividir cada rolo a meio e fazer uma cruz em cima de cada ovo. Com o dedo empurrar as extremidades dos rolos, como se estivéssemos a fazer um furo na massa. Pincelar com o ovo batido e deixar descansar 15min. enquanto o forno aquece. Levar ao forno pré-aquecido, a 180ºC durante 30-35min. Retirar e deixar arrefecer.