segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Aurore Sauce: um típico molho do período Elizabetano

Hoje resolvi começar a fuçar as receitas antigas, e decidi começar a fazer postagens sobre elas colocando marcadores novos no blog desta confraria, mediante a individualidade dos períodos nos quais as receitas foram encontradas. Hoje, começarei falando de uma receita elisabetana muito conhecida pelas cozinhas do mundo: o  molho aurora (aurore sauce)
O período Elizabetano (1558-1603) (alguns o podem chamar de Elisabetano ou Isabelino. Eu escolhi o nome de acordo com a escrita original do nome da monarca) para a comida é fascinante por uma amplitude de causas. Na época, a Grã-Bretanha foi lentamente forjando  um império e seus navios (embora a Marinha Britânica fosse pequena em comparação com a dos espanhóis) quase que dobraram o comércio global. Novas fruta e especiarias estavam chegando de Londres e as grandes casas estavam competindo umas com as outras para preparar e servir as refeições mais extravagantes. Em alguns aspectos, o palato Elizabetano é extremamente moderno e a única grande diferença entre o Elizabetano e nós é uso extremo de açúcar (que estava se tornando uma mercadoria comum fornecida pelas Canárias).

Elizabeth I
Novos alimentos, como o tomate, batata e do peru estavam a ser introduzidos a partir do Novo Mundo, juntamente com pimentas vermelhas, pimenta caiena, páprica, colorau e outros tipos de pimenta. Neste momento, o comércio de especiarias também foi muito importante. Na verdade, as especiarias orientais constituíram um dos elementos mais rentáveis e dinâmicos no comércio europeu e o lucro obtido com as novas especiarias (assim como a busca por ouro e prata) incentivou as explorações de marinheiros Elizabetanos, como Raleigh e Drake.
Apesar de culinária medieval  ter se utilizado das especiarias orientais a variedade e diversidade do que estava disponível aumentou dramaticamente durante período Elizabetano. Estas especiarias ainda eram extremamente caras, no entanto, a sua utilização e aceitação tornou-se uma questão de prestígio social. Quanto mais especiarias uma cozinha usasse maior a riqueza e status social de quem a desfrutasse.

Assinatura de Elizabeth I
Apesar de eu ter chamado de "receitas elisabetanas”, uma descrição mais precisa seria "Jacobetanas" como o período do livro de receitas a partir do qual estas receitas são tomadas abrangem os anos de 1558-1625 (os reinados de Elizabeth I e James I).
Em termos de culinária, este é um período verdadeiramente fascinante, porque é o momento em que os primeiros livros de receitas verdadeiros são publicados, quando culinária moderna, como conhecemos hoje. Claro, havia livros de receitas anteriores a Idade Medieval , mas estes eram invariavelmente publicações judiciais, escrito por um escriba que observou o chef em sua cozinha, em vez do chef escrever seu próprio trabalho. 
A diferença da idade Jacobetana é que, enquanto nós ainda temos as "receitas judiciais» também temos livros de receita escritos e publicados por particulares. Os antecedentes diretos de livros de receitas modernas. Para todas as receitas que serão, publicadas com o marcador Receitas Elizabetanas terei o cuidado de incluir proporções encontradas nas receitas originaisl, a partir de uma redação moderna que vai permitir que você possa preparar o prato em sua própria cozinha. Muitas das receitas que serão colocadas  nesta categoria Elizabetana será extraído de pesquisas a partir de uma obra de 1545, de Hugh Plat conhecidos como Delightes for ladies,

Aurore (Aurora) 

Aurore sauce  é uma receita tradicional britânica  para um molho clássico elisabetano  feito com bechamel  e purê de tomates.
Provavelmente a mitologia está por trás do nome do molho Aurora, devido  ao  ápice do renascimento na Inglaterra. Mas sabe=se que os tomates, ingrediente fundamental para o molho era uma novidade no período elisabetano – era justamente o tomate que dá a coloração do  molho, que pode variar de rosa claro aos escuro. Essa coloração no entanto seria uma alusão a deusa grego-romana Aurora ou Eos, deusa do amanhecer, que pinta o céus com seus dedos rosa.


Eos (em grego, Ἠώς – Êôs, 'aurora') era a deusa grega que personificava o amanhecer. Filha de Hipérion e Téa, era irmã da deusa Selene, a lua e de Hélios, o sol. Normalmente citada como de longos cabelos louros e unhas tingidas de rosa ou como a deusa de dedos cor-de-rosa, e braços dourados, coroada com uma tiara, com grandes asas brancas de pássaro, como a descreve Homero. Com uma carruagem púrpurea puxada por dois cavalos alados, Lampo e Faetonte, com arreios multicolores. Agil e graciosa, munida de asas nos ombros e pés. Na Ilíada de Homero, sua roupa amarela está bordada e tecida  com flores.
 Quinto de Esmirna, a representa com um exuberante coração sobre os resplandecentes cavalos que puxam seu carro, entre as Horas, estes de brilhante pelos, subindo o céu e soltando chispas de fogo, soltas pelas patas.  Essa caracterização expressa seu caráter de jovem caprichosa e despreocupada, que vive amores intensos e efêmeros
Eos tem, como principal função, abrir as portas do céu para a carruagem de Hélio, o deus do Sol, sendo assim a deusa do amanhecer (Quando a carruagem de Hélio está saindo, e o Sol está nascendo) e do entardecer, mais especificamente, o pôr do Sol (Quando a carruagem de Hélio está voltando, e o Sol está se pondo). Responsável também pelo brilho do Sol e das tonalidades do Céu, Eos é a deusa que desperta as pessoas e criaturas dos mais profundos sonhos e derrama orvalho nas folhas, sendo mais conhecida por ser a deusa especialmente do amanhecer.


Conhecida também por seus amores, dos quais o  primeiro deste foi o filho de Poseidon, o gigante Órion, por ela raptado e levado a ilha de Delos. Tendo o filho  de Poseidon tentado violentar Artemis, esta enviou contra ele um escorpião, que picou seu calcanhar, causando morte instantânea. Pelo serviço prestado a Artemis o escorpião virou constelação.
São inúmeras as paixões de Eos, sendo a mais conhecida com Titono, irmão mais velho de Príamo, rei de Tróia. Ao apaixonar-se por ele, teve medo de o perder, o raptou e levou para a Etiópia.
A deusa amava-o tanto que pediu para que lhe concedessem a imortalidade, mas esqueceu-se da juventude eterna, e dessa forma o amado da atrapalhada deusa transformou-se num velho decrépito, sem nunca, no entanto, morrer. Ela o encerrou num quarto escuro.  Eos decidiu, então pedir para que Zeus o transformasse numa cigarra. Com Títono teve dois filhos : Emátion e Mêmnon.
 Memnon tornou-se rei etíope. Durante a guerra de Tróia, levou um exército para defesa de Tróia e foi morto por Aquiles em retaliação pela morte de Antíloco. A morte de Memnon ecoa a morte de Heitor, outro defensor de Tróia que Aquiles também matou em vingança pelo companheiro caído. As lágrimas de Eos pela morte do filho ainda são vistas no orvalho da manhã.

Eos levando seu  filho Memnóm - Museu do Louvre
Céfalo, filho de Mercúrio e Herse, também foi vítima do amor implacável de Eos. Ele estava já casado com a princesa Prócris, terna e amorosa e sempre fiel a seu marido. Insaciável como sempre, Eos pouco se importa para o sofrimento de Prócris e rapta Céfalo enquanto caçava nas proximidades do monte Imeto.
Mas apesar de todos os esforços da deusa, o jovem continua apaixonado por sua esposa. Apesar de muitos esquemas ardilosos da deusa, Céfalo e Prócris se reconciliam. Céfalo volta a caçar, mas sua esposa, receando a deusa rival, o segue. Pensando se tratar de um animal, ele a mata e ao ver o que havia feito, se joga ao mar. Comovido, Zeus os transforma em estrelas.

As suas paixões funestas atribuem-se ao fato de que teve amores com Ares, algo que deixou Afrodite muito enciumada, fazendo com que lançasse uma maldição sobre Eos, para que ela se apaixonasse apenas por homens mortais.

Aurore Sauce
Ingredientes:
2 colheres de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de farinha de trigo
50 ml de leite frio
150ml de leite quente
Sal e  pimenta branca a gosto
noz-moscada ralada a gosto
4 tomates frescos, escaldados, descascados e sem sementes

Preparo: para o béchamel: Derreta a manteiga no fundo de uma panela em fogo médio, adicione a farinha e mexa até que o roux resultante esteja bem  misturado. Mexa com um batedor e acrescente o leite frio (começando com líquido frio dá um molho mais cremosidade). Uma vez que este tem aquecido lentamente despeje o leite quente, mexendo o tempo todo. Continue mexendo até que o molho apenas começe a ferver, em seguida, adicionar os temperos , continue mexendo por cerca de cinco minutos para se certificar de que a farinha cozinhe bem. Amassar os tomates e até o ponto de purê e misturar com o molho béchamel para obter molho Aurore.

Pão de couve-flor com molho Aurora
 Ingredientes:
1 couve-flor 1 kg
4 ovos
sal e pimenta
Manteiga untar
molho branco (feito com 25 g de manteiga, 1 colher de sopa de farinha, 1/4 litro de leite, sal, pimenta)
1 molho de tomate pequeno pode ser já preparado
100 g de queijo ralado

Preparo: Lave a couve-flor destaca dando os buques. Mergulhe-os alguns minutos com água e vinagre e deixe cozinhar cerca de 25 minutos em água fervente com sal. Escorra e amasse com um garfo. Bata os ovos ccomo se para fazer omelete com sal e pimenta, adicione-os à couve-flor. Despeje a mistura, pressionando bem em uma forma de bolo inglês bastante untada com  manteiga. Coloque-o em banho maria e asse em forno moderado 45 minutos. Prepare o molho bechamel com os ingredientes listados. Em seguida, adicione o molho de tomate. Junte o queijo ralado e misture bem. Quando estiver pronto para servir, desenforme o pão de couve-flor pão em um prato e cubra com o  molho.
Observação: presunto cozido é um ótimo acompanhamento para esta entrada. 

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

O Incandescente Baked Alaska


Sabe quando uma coisa acontece para puxar outra e, assim, surgir inspiração? Pois é isso aconteceu comigo hoje. Eu estava me preparando para começar a escrever um trabalho sobre cruzeiros marítimos para apresentar aos alunos do curso de hotelaria do IFCE, e procurava algo interessante e curioso para atrair a atenção dos alunos. De repente veio a escuridão, e a luz apareceu no fim do túnel... (risos). Você já  viajou em um cruzeiro?
Quando se está numa viagem de cruzeiro (certamente quem já participou de viagens em cruzeiros passou por um episódio assim) hora do jantar baile do Capitão, ou em outros jantares, você está em restaurante lotado e, de repente, falta luz... todos no escuro, e alguns gritinhos velados de susto. A música começa alta e parece estar chegando cada vez mais perto de você. De repente um monte de garçons surgem dançando pelo salão trazendo numa das mãos uma bandeja com um doce lindo e incandescente, e girando  um guardanapo com a outra. Muita gente ainda continua assustado, mas é apenas a Parada do Baked Alasca Parade”


. À sua maneira no clássico The Only Way to Cross, John Maxtone-Graham descreve um jantar na viagem inaugural do Amerika Hamburg-America Line, de 1905 em que "as luzes foram escurecidas e da cozinha veio esquadrões de garçons carregando em cima de uma combinação crepitante de fogo e gelo. "Embora bem recebida  a grande  sobremesa da noite no Amerika não consegui pegar no mundo, pois até final dos anos 1950 ou 1960, ele era básico, e surgiram versões mais evoluídas da Baked Alasca Parade em outros navios. O desfile não alcançou sua forma final, aperfeiçoado até 1987, quando o vocalista David Johansen (aka Buster Poindexter) lançou o que viria a ser sua trilha sonora não-oficial mas vital, a música  "Hot Hot Hot".
Pouco mais de um milênio atrás, os homens estavam a fazer sacrifícios aos deuses para que eles estivessem seguros durantes as viagens oceânicas. Hoje, é um luxo apagar uma sobremesa com rum, acendê-lo no fogo, e ver o desfile em torno de uma sala lotada no meio do mar de vinho escuro.



As origens desta sobremesa nos remete ao inicio do século  XIX.  e suas origens são tão misteriosos quanto seu poder de permanência. A primeira vez que se ouve falar nesta receita é durante um jantar na Casa Branca, em que um convidado de Thomas Jefferson descreve esta sobremesa como "Ice-cream very good, crusty wholly dried, crumbled into thin flakes."
Thomas Jefferson
O nome Baked Alaska teve origem em 1876, em Nova Iorque, no Delmonico's Restaurant, tendo sido criado em honra do recém conquistado território do Alaska. Foi popularizado mais tarde pelo Chef Jean Giroix, em 1895, no Hotel Monte Carlo, em Paris.
Baked Alasca consiste de sorvete duro em uma cama de pão de ló, a coisa toda é então coberta com merengue cru. Este 'bolo' é mantido no congelador até o tempo de servir, quando é colocado num forno muito quente, apenas o tempo suficiente para dourar o merengue – e também pode ser flambado na mesa, o que causa o espetáculo já mencionado no inicio deste escrito. Coisas que com os maçaricos de cozinha se resolvem mais facilmente.
O Baked Alasca e sobremesas semelhantes sabem tirar vantagem das propriedades de isolamento do ar aprisionado na estrutura celular da espuma (do merengue e do pão de ló), que mantém o calor longe de alcançar o sorvete e deixam a sobremesa irresistível.


O nome surgiu em homenagem ao recém-adquirido território do Alasca. As primeiras versões desta sobremesa composta de sorvete envolto em crosta de massa quente dizem ter sido servida a um convidado de Thomas Jefferson em um jantar na Casa Branca em 1802. Varias versões para a criação desta delicia podem ser encontradas na literatura. Vejamos algumas:
1802 - De acordo com alguns historiadores, Thomas Jefferson (1743-1826), terceiro presidente dos Estados Unidos 1801-1809, foi um dos primeiros a servir sorvete em um banquete de Estado na Casa Branca. Ele relatou ter servido sorvete envolto em massa quente em um jantar na Casa Branca durante a sua presidência. 
Embora o nome veio muito mais tarde, é provável que este era um prato semelhante ao Baked Alasca. Um artigo do LeRoy PennySaver & News  chamado "O menu de 1802," por Lynne Belluscio afirma o seguinte: Um menu de uma refeição oferecida por Jefferson em 06 de fevereiro de 1802, incluiu "sopa de arroz, rodada de carne bovina, peru, carneiro, presunto, lombo de vitela, costeletas de carneiro, ovos fritos, carne frita e uma torta chamada macaroni." As sobremesas incluíam "um sorvete muito bom, com crosta totalmente seca, com flocos esfarelados finos, um prato parecido como um pudim..."


Alaska
Sobremesas com sorvetes eram frequentemente servidos aos visitantes  nas refeições com Thomas Jefferson. A partir do site The Home of Thomas Jefferson, um visitante teria comentado:"Entre outras coisas, sorvetes  foram produzidos sob a forma de bolas congeladas cobertas com massa quente de pastelaria quente, exibindo um curioso contraste, como se o gelo tivesse acabado de ser retirado do forno".
Um verdadeiro Baked Alasca começa com o merengue. Um merengue é um "patisserie" feita a partir de claras de ovos e açúcar. Patisserie é a palavra francesa para várias preparações feitas para a confeitaria e, geralmente, são levemente cozidos no forno.


1720 - O livro, Larousse Gastronomique, escrito por Prosper Montagné, diz o seguinte sobre a história do merengue: Os historiadores da culinária dizem que esta pastelaria pouco foi inventado em 1720 por um confeiteiro suíço chamado Gasparini, que praticavam a sua arte em Mehrinyghen, uma pequena cidade no Estado de Saxe-Coburg-Gotha. Os primeiros merengues feitoas na França foram servidos em Nancy com o rei Stanislas que, os muitos os adorava. Foi ele, sem dúvida, quem deu a receita desta guloseima para Marie Leczinska. A rainha Maria Antonieta tinha um ótimo gosto por suspiros, tanto  que afirmam fontes que ela os fez com as próprias mãos no Trianon, onde também fez vacherins, para o qual uma mistura semelhante é usado. Até o início do século XIX, merengues foram moldados em uma colher, o saco de confeiteiro ainda não tinha sido inventado.

1804 - Omellete surpresa, que é praticamente idêntico ao Baked Alasca é dito ter sido inventado por um físico americano, nascido chamado Benjamin Thompson Rumford (1753-1814), mais tarde conhecido como Conde Rumford. Um legalista americano na Revolução, em Boston, diz-se que ele o serviu a um espião e informante do exército britânico. Ele foi forçado a fugir dos Estados Unidos para a Inglaterra de 1776.


Ele tinha interesse em cozinhar e ele inventou a grelha, a caldeira dupla, uma lamparina a óleo e um coador de café (gotejamento), durante seus intervalos na cozinha. Como resultado do seu interesse em investigar a resistência de clara de ovo batido ao calor, partindo do princípio de que a clara de ovo batido é um mau condutor de calor. E assim uma sobremesa foi criada por ele , o "omelete surpresa". No The American Heritage Cookbook, Rumford é citado como dizendo: Surpirse Omelette foi meu produto de investigações em 1804 para verificar a resistência de clara de ovo batido rigidamente à indução de calor.

Durante a Era Vitoriana (1937-1901), sobremesas elaboradas feitas com sorvetes eram produzidas por fábricas de lacticínios locais e confeitarias de requinte, servido com os melhores chás em jantares formais. Eles se orgulhavam de suas “bombas fantasias de sorvete" (sorvete prensada em moldes que produziram elegantes formas para elaborar sobremesas congeladas em formas extravagantes e festivas. Estas tradição foi tirado de pudins e cremes moldados. Estes também eram conhecidos como bolos gelados.

A técnica de cobrir os alimentos com merengue e, em seguida, assar até que o merengue ficasse delicadamente bronzeado parecia ter sido uma técnica para sobremesas muito popular durante metade da década 1850.

1855 - O livro de receitas, The Philadelphia Housewife,  escrito pela tia Maria (pseudônimo  para Maria Hodgson) acrescentou algumas fantásticas sobremesas francesas como "Maçãs aux Pommes" e "Baked Alasca Applie pie: Baked Alasca Apple Pie - Faça tudo conforme indicado na Meringue aux Pommes, mas em vez de encher a centros de maçã com marmelada, preenchê-los com sorvete de baunilha e cubra com colheres de meregue todos os espaços em torno das maçãs. assar e servir.




1866 - O escritor de comida francesa, Barão Leon Brise, escreveu uma coluna no Jornal francês, Liberté, em 06 de junho de 1866 que sugere a criação da sobremesa, Baked Alasca, foi introduzido na França pelo chef francês Balzac. Segundo os historiadores, o mestre-cozinheiro, acompanhando uma delegação chinesa no Grand Hotel em Paris, ensinou Balzac como assar sorvete em crosta de massa no forno. Seguinte é o que o Barão Brise escreveu: Durante a estada da Missão chinesa em Paris, os mestres-cozinheiros do Império Celestial trocaram gentilezas e informações com os chefs do Grand Hotel. O chef francês encarregado de cursos de doces está particularmente satisfeito com esta circunstância. Ele aprendeu com seu colega chinês, o método de fazer  essência de baunilha e preparar os sorvetes de gengibre no forno. A massa  é assada antes que o sorvete protegido pelo escudo de pastelaria possa derreter. Este fenômeno é explicado por condutibilidade pobre de certas substâncias. Os gourmets podem, assim, dar-se o duplo prazer de morder através de tubulação crosta quente e arrefecimento do palato em contato com sorvetes perfumados.

1867 - Charles Ranhofer (1836-1899), o chef francês no restaurante do famoso Delmonico, em Nova York, criou um novo bolo para celebrar a compra feita pelos Estados Unidos, o Alasca ,dos russos. William H. Seward (1801-1872), um senador de Nova York, negociou a compra do Alasca da Rússia, e o projeto de lei foi assinado em 18 de outubro de 1867. Esta compra foi conhecida como "Stewart Folly" (Loucura de Stewart) ou "Stewart Icebox." No livro Yhe Epicurian (o epicurista) Charles Ranhofer de 1893, ele chamou  Alasca, Flórida, e torna-lo em porções individuais.



Alaska, Florida - Prepare a very fine vanilla-flavored Savoy biscuit paste. Butter some plain molds two and three-quarters inches in diameter by one and a half inches in depth; dip them in fecula or flour, and fill two-thirds full with the paste. Cook turn them out and make an incision all around the bottom; hollow out the cakes and mask the empty space with apricot marmalade. Have some ice cream molds shaped as shown in Fig. 667, fill them half with uncooked banana ice cream, and half with uncooked vanilla ice cream; freeze, unmold and lay them in the hollow of the prepared biscuits; keep in a freezing box or cave. Prepare also a meringue with twelve egg-whites and one pound of sugar. A few moments before serving place each biscuit with its ice on a small lace paper, and cover one after the other with the meringue pushed through a pocket furnished with a channeled socket. beginning at the bottom and diminishing the thickness until the top is reached; color this meringue for two minutes in a hot oven, and when a light golden brown remove and serve at once.

É possível que o que é Ranhofer mereça o crédito por popularizar uma sobremesa já é conhecida.

1876 - Maria F. Henderson, em seu livro Practical Cooking and Dinner Giving,, publicado em 1876, chama-o "German Steamer Baked Ice-cream. (sorvete assado dos vapores alemães).  Ela mostra alguma familiaridade com restaurante Delmonico e dá a receita para o seu sorvete de baunilha. A seguir é como ele é descrito: Este prato foi, pelo menos, uma curiosidade, servido à mesa de um dos vapores alemães. Redondo e feito com base do clássico bolo esponja. Um molde circular de sorvete congelado foi colocada sobre isso, e então coberto com um merengue, ou clara de ovo batido, adoçado e aromatizado. A superfície foi rapidamente colorido com uma brasa, que deu ao prato a aparência de ser cozido. O cavalheiro que me contou sobre este prato insistiu que foi colocada no forno e rapidamente para pegar cor, como o ovo em torno do creme foi um suficientemente bem batido e um bom não-condutor de calor, isso protegeu os dois ( o bolo e o sorvete).

1880 - George Augustus Henry Sala (1828-1895), autor de livros culinários e jornalista britânico, escreveu o seguinte sobre Baked Alasca depois de saboreá-lo no restaurante Delmonico, em Nova York: Imagine carregar o emprego de gelo para um ponto tal que culmina em uma curiosidade gastronômica, um sorvete assado! O "Alasca" é uma sorvete assado, dos quais o interior é um sorvete geladinho. Este último está rodeado por um exterior de creme batido, que ficou quente por meio dourador do forno . A transição do quente no exterior para o interior congelado é dolorosamente repentina, e não susceptível de ser atendido com efeito benéfico. Mas o abuso de uma coisa boa não é argumento contra o que quer que a sua utilização de forma moderada e racional.




1894 - Agnes Marshall em 1894, no livro Fancy Ices, tem uma receita para uma bomba de sorvete, chamada de "Princesse Marie de Orleans Surprise Bombe,", com meregue do lado de fora, endurecido com o calor do forno (ou salamander), que é semelhante a uma Baked Alasca:

Princess Marie d'Or1eans Surprise Bomb - Prepare and freeze a white coffee ice, and when frozen put it into a plain bomb mould with a pipe, and place the shape into the cave to freeze for two and a half hours; remove the lid and pipe, and fill the hollow space with pieces of fresh sponge cake steeped in Marshall's Maraschino Syrup; then turn out the ice on to a layer of sponge cake that is placed on the centre of the dish, and by means of a forcing bag with a large rose pipe cover it well in an ornamental style with a stiff meringue mixture prepared as below, and sprinkle it with Marshall's Icing Sugar. Stand the dish containing the bomb in a tin with water, and place it in a quick hot oven to brown the outside of the meringue, or glaze it with a salamander, and serve it immediately with a purée of peaches (prepared as below) round the base. Meringue Mixture for Princess Marie D'Orleans Surprise Bomb - Take four large or six small whites of eggs and whip well with a pinch of salt, then add half a pound of castor sugar, stirring it into the egg with a wooden spoon, and use

1895 - Jean Giroix, chef francês, no Hotel de Paris em Monte Carlo, também disse ter tornado o prato popular. Ele o chamou de omelete à la norvégienne ou omelete norueguês.


1896 - O nome Baked Alasca, parece ter surgido primeiramente em impressão no original the The Original Fannie Farmer 1896 Cookbook  escrito por Fannie farmer. A seguir é como Fannie descreve o preparo do Baked Alasca:

6 ovos claras
6 colheres de sopa de açúcar em pó
2 tijolo litro de sorvete
Bolo esponja fina folha
Faça merengue de ovos e açúcar, como em Meringue I., cubra uma placa com papel branco, coloque no pão de ló, virar o sorvete em bolo (que deve se estender meia polegada além de creme), cubra com merengue, e espalhar suavemente. Coloque no forno, sobre a grelha eté dourar rapidamente em forno quente.

Muita informação não é. obviamente, delícias são sempre motivos para especulações; mas que tal fazer a sua loucura gelada e aprontar uma surpresinha, a la cruzeiro, na sua casa?

Baked Alaska Simples

1 bolo simples pronto (feito na forma de bolo ingés)
250g de sorvete de chocolate (ou outro)
250g de sorvete de creme
2 doses de licor Curaçau (triple séc) ou Cointreau
4 claras de ovo
1/2 xícara de açúcar
1 pitada de sal
  
MODO DE FAZER  Embebedar o bolo com metade do licor curaçau com um pouco de água (dos dois lados) e cortar ao meio. Colocar metade do bolo num refratário pequeno, o sorvete de creme e o de chocolate em cima, por fim coloque o resto do bolo e leve ao freezer por, no mínimo 12 horas (é necessário que fique bem firme). Um pouco antes de servir, bata as claras em neve com uma pitada de sal. Quando as claras estiverem bem firmes, acrescente o açúcar e misture. Coloque tudo no saco de confeiteiro e cubra o bolo recém-tirado do freezer. Na hora de servir, coloque no forno quente e deixe dourar. Tire do forno, coloque o restante do licor sobre o bolo e flambe.

Baked Alaska  individual

2 claras em temperatura ambiente
6 colheres de sopa de açúcar
4 fatias de bolo sem recheio
2 colheres de sopa de geleia de morango ou qualquer outro sabor 4 bolas de sorvete de creme (ou, ou, ou.. depende do gosto!)

Modo de Preparo QUAL A DICA MAIS IMPORTANTE? FORNO BEM FORTE porque o merengue tem que dourar rápido, antes do sorvete começar a derreter. Forno a 240 graus.
MERENGUE Bater as claras em neve e quando estiverem sem escorrer, acrescentar o açúcar e bater mais, até o merengue ficar brilhante e duro. MONTAGEM Arrumar as QUATRO FATIAS – uma por pessoa – na assadeira. Passar um pouco de geleia sobre elas, colocar uma bola de sorvete e levar ao congelador até endurecer. Quando for servir cobrir com o merengue. Coloque no forno, na parte mais alta, por cinco minutos. Apenas para dourar o merengue.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O que fazer com as romãs de Hera?


Recentemente tenho me dedicado á pesquisas para um artigo cientifico que estou escrevendo sobre o Altis Sagrado, em Olympia, Grécia. È sempre bom para mim reviver meus estudo  em mitologia, que tanto me ajudaram a descobrir motivos para determinadas coisas que a ciência até hoje não deu explicação.
Consegui para meus estudos uma coleção de vídeos interessantíssimos do Museu Arqueológico de Olympia, dentre outros, que tem me divertido e gerado muito material interessante e esclarecedor sobre o que era o Altis de fato. A grosso modo pode-se dizer que o Altis era - pois o que resta dele são ruínas - um complexo de monumentos antigos (templos, casas de banho, lugares de lazer e desporto e hospedagem) dos quais o templo de Zeus se tornou um ícone, por conter uma estatua daquele deus que se tornou uma das 7 maravilhas do  mundo antigo.
Porém nos meus achados descobri que está justamente no Altis o mais antigo templo grego, o Herarion, dedicado a deusa Hera, soberana do Olimpo, cujo pavão e a romã, ambos apreciados por mim, são símbolos seus.
Mas o que fazer com as romãs de Hera? Todo mundo sempre vê por ai recitas doces, mas a ideia deste post é fazer diferente, assim como  ter uma visão um pouco diferente, ampliada da Hera mitológica.

Assim para não colocar simplesmente recitas, vamos colocar mais conteúdo nisso...  encontrei um interessante texto sobre a rainha do Olimpo que compartilho com vocês nas linhas seguintes. O texto foi  escrito por Anne Baring é co-autora de "The Myth of the Goddess" dentre outras obras (www.annebaring.com ) no final, como de prache, seguem as receitinhas. Espero que gostem.


Hera: um nome; diversas interpretações. Para muitos, Hera é a ciumenta e vingativa irmã esposa de Zeus, o todo-poderoso deus do Olimpo. Essa imagem estereotipada, contudo, oculta uma outra visão; na verdade, Hera é uma das mais grandiosas deidades femininas: muito, muito antiga, as origens de seus cultos se perdem na noite dos tempos, recuando ao menos até 10.000 a.C.
Suas raízes remontam à Deusa Mãe do Neolítico, associada à vida, à morte e à regeneração, temas que fazem dela mais uma representação perfeita da Grande Deusa em sua típica triplicidade. Originária provavelmente de Creta, Hera possui muitos elementos em comum com Cibele, a conhecida e adorada deusa da Anatólia cujo culto atravessou muitos séculos.
Freqüentemente, Hera é representada na companhia de leões, serpentes e aves aquáticas. Na Ilíada, ela é chamada de "Rainha dos Céus," e também de "Hera do Trono de Ouro." Outro nome que costuma ser associado a Hera é "a deusa dos braços brancos."
De todas as Deusas gregas, Hera é a única que realmente apresenta traços de soberania. Ela é a Deusa do Matrimônio - não da beleza ou da atração sexual, ou ainda da maternidade, mas da união como um princípio. Como regente do casamento, é Hera que dá validade e importância a essa união. Hera é também a protetora das mulheres e de todas as formas femininas da vida.
Na Grécia, Hera era vista principalmente como a Deusa da Lua. O mês era dividido em três fases, a saber: o crescente, a plenitude e o minguar da lua. Por vezes, Hera era representada como a Deusa Tríplice, nas formas de Donzela ou Virgem, A Plena ou mãe, e a Viúva, ou a Separada. Hera, portanto, representa o próprío ciclo da mulher em todo o seu poder e totalidade.
Ademais, Hera é o Princípio Feminino. É também uma díade mãe-filha, pois Hera e sua filha Hebe formam um todo, assim como Deméter e Perséfone.
Na iconografia, seus símbolos são a romã e uma flor em forma de estrela. Tais flores eram trançadas em guirlandas e usadas para adornar seus bustos e estátuas. Assim como Cibele, Hera trazia nas mãos a romã. Um lindo diadema de ouro na forma de folhas e frutos de murta foi encontrado nas proximidades de seu templo em Crotona, mais uma associação.Mas a mais simbólica e profunda associação de Hera com o reino vegetal é a espiga de trigo, conhecida como "a flor de Hera."

Um de seus epítetos, Hera "dos Olhos de Vaca," não deixa dúvidas quanto à sua associação com o gado. Bois e vacas eram-lhe sagrados, até porque seus chifres se assemelham à lua crescente.
Como Rainha do Céu e da Terra, ela traz semelhanças com a deusa egípcia Hathor. A Via Láctea era conhecida, simplesmente, como "a Deusa."
Na mitologia grega, Hera é, sem dúvida, a mais elevada das Deusas. Hera é mais conhecida como irmã e esposa de Zeus, mas tal associação é muito posterior. A mitologia mais antiga apresenta elementos que comprovam que a Hera original era independente e não possuía marido. Posteriormente, é possível que tenha desposado Dioniso ou Héracles, que descem ao Mundo Inferior na Lua Nova para resgatá-la, trazendo-a na forma da Lua Crescente. O nome Héracles significa simplesmente "Glória a Hera." Por sua associação solar, Héracles, juntamente com Hera, representa a antiga imagem do filho-amante da deusa, e sua união é a união do sol e da lua quando esta se encontra em sua fase cheia.
Através de seus truques, Zeus leva Hera a adormecer, e Hermes põe Héracles ainda bebê em seu seio. Ele a morde e, ao despertar, Hera o empurra para longe; o leite que jorra de seu seio espalha-se nos céus, formando a Via Láctea.

Em seus locais sagrados, Hera era cultuada por dezesseis mulheres. Após seu 'retorno' do Mundo Inferior, elas banhavam sua estátua numa nascente sagrada, restaurando assim sua virgindade - uma cerimônia que ocorria anualmente, antes da luz nova.
O grande ritual do casamento entre Hera e Zeus ocorria no período da lua cheia, celebrando a união da lua e do sol. Irmão e irmã; marido e mulher: o Hieros gamos, o 'casamento sagrado', uma tradição mantida de uma era anterior.
Num nível mais profundo e ancestral, o casamento entre Hera e Zeus pode ser visto como a relação entre os dois grandes arquétipos da vida que só podem ser representados por um rei e uma rainha, ou um Deus e uma Deusa. Seu casamento regenera o universo, numa união criativa retradada no hieros gamos entre Hera e Zeus. Este sentimento era provavelmente compartilhado por todos os participantes de seus ritos, os quais celebravam seus próprios matrimônios no mesmo período do casamento entre a Rainha da Vida e o Senhor da Vida; um casamento que unia cosmicamente os dois grandes aspectos da vida.
Posteriormente, esses aspectos passam a ser vistos como a terra e o céu, sendo a terra representada pela deusa e o céu pelo deus. Contudo, por princípio, ambos estão muito além de suas representações. Para se ter uma noção mais correta da profunidade dessa união, é necessário conhecer a grande união abordada na mística tradição judaica da Kabbalah.
Mitologicamente, a Terra gerou a grande árvore de maçãs douradas das Hespérides em homenagem ao casamento entre Hera e Zeus; contudo, acredito que essa árvore fora outrora sagrada a Hera, e possivelmente as 'maçãs douradas' eram, na verdade, romãs. Para mais detalhes sobre sua maravilhosa união, recomendo a leitura do 14o. livro da Ilíada.

Templos gigantescos foram erguidos em sua honra em Samos e no sul da Itália, além de outras localidades. Hera era cultuada em sua forma humana como uma manifestação da lua. Seu templo principal, porém, ficava na planície de Argos: o Heraion. Reconstruído três vezes, o primeiro Heraion foi erguido por volta de 1000 a.C., nas fraldas do Monte Euboia, num amplo terraço de frente para a grande planície do Argos. Uma vez por ano, durante uma lua cheia, tinha lugar a procissão ritual de Hera, que passava pelas cidades do Argos: Micenas, Tiryns, Argos, Midea. Para os gregos de então, o Heraion possuía a mesma importância que o Templo de Jerusalém possui para o povo de Israel: ele era "o" templo, um santuário para toda a terra. O mais antigo dos templos possuía enromes alicerces, os quais ainda podem ser vistos.
Ruínas do Heraion Samos
Voltando à mitologia, lemos que Zeus assume a forma de um cuco, abrigando-se no colo de Hera durante uma tempestade. Com pena do pequeno pássaro, ela o cubriu com sua túnica. Por conta disso, o cuco figura na ponta de seu cetro e também é esculpido em seus templos. A lenda mostra claramente como Zeus não passa de um intruso nos domínios matriarcais de Hera. Através do simbolismo do cuco, Zeus passa a integrar a lenda do culto a Hera.
Trata-se de um culto bastante místico, cujo símbolo era a romã. Hera era cultuada como uma divindade numinosa, que se manifestava para as pessoas. Seus seguidores não lhe dirigiam pedidos, e ela provavelmente era cultuada como o princípio regenerador da vida, regente do Mundo Inferior, da cúpula celeste e da terra. "Se não conseguir demover os deuses do alto, volto-me para o Mundo Inferior", diz Juno na Eneida. Tais palavras, porém, ecoam uma imagem mais antiga da Grande Deusa. A romã de Hera passou para Perséfone.
Seus devotos entoavam-lhe canções, e sem dúvida eles eram capazes de "vê-la"; afinal, falamos de uma época em que a experiência visionária ainda era aceita.
O mais velho de todos os seus templos ficava em Olímpia, e é anterior ao ano 1000 a.C. - muito mais antigo do que o templo de Zeus. Ali, Hera regia os torneios, onde as mulheres corriam tão bem quanto os homens. As corridas entre as mulheres eram divididas em três categorias - cada uma de acordo com a idade. (seria esta uma referência à triplicidade Donzela-Mãe-Anciã?) Os torneios ocorriam no dia seguinte à lua cheia.
Ruínas do Heraion em Olympia
No interior do templo de Olímpia, uma estátua apresenta Hera sentada em seu trono, a Rainha dos Céus. Ao seu lado, Zeus está armado como um guerreiro, mostrando claramente que ele é quem fora escolhido como o favorito da deusa, e não o contrário.Através de Hera, as mulheres eram enaltecidas e os homens desenvolviam sua onisciência do feminino.
Se Olímpia é seu mais velho templo, o maior era o de Samos. O primeiro altar possuía 32 metros quadrados; anos depois, foi construído outro muito maior, com 120 x 54 metros, decorado com um friso por toda a sua volta, como no templo de Pergamon.
Em termos de locais sagrados, a liha de Euboea era-lhe dedicada, e templos enormes foram-lhe erguidos na Beócia, na Sicília, e em Paestum, na Itália, onde existia uma rede de templos que se assemelhava a uma cidade a ela dedicada. Aqui, Hera era a Deusa do Mundo Inferior, além de ser Rainha dos Céus. Como a lua crescente, Hera ressurgia dos mortos; portanto, era ela quem restaurava a vida aos mortos. Seu templo em Crotona, no sudeste da Itália, fornecia um elo de ligação entre a planície de Argos e Paestum. Atualmente, uma solitária coluna é tudo o que restou desse outrora grandioso templo.
Posteriormente, através de Homero, Hera passa a ser vista como a esposa ciumenta e aborrecida de Zeus, sempre tentando recuperar seu poder perdido, manipulando por trás de um casamento infeliz com um marido patriarcal. Isto ecoa a antiga voz da deusa, que tenta encontrar seu papel no novo mundo patriarcal. Reflete também a completa submissão das esposas gregas diante de seus maridos. Ela se vinga de Zeus em suas amantes, e também nos frutos dessas uniões - uma paródia da esposa rejeitada, ciumenta, manipuladora. Por sua parte, Zeus se mostra constantemente infiel, provocando-a e ameaçando-a: "Nem com você, nem com tua ira eu me importo." Dessa união, surgem dois filhos: Hefestos, o aleijado, e Ares, deusa da guerra e da discórdia.

Na Ilíada, percebemos a necessidade do macho imaturo em difamar e satirizar as mulheres poderosas e a antiga rodem social matriarcal; a necessidade de negar às mulheres seu grande poder e sua profunda relação com a vida. Em Homero, Hera então é reduzida a uma figura risível, ciumenta e vingativa, num contexto que retrata uma cultura eicada à guerra, ao sacrfício humano e à glória. Zeus, por sua vez, encaixa-se no papel arquetípico do 'Don Juan', é a imagem do macho f'lico que passa a dominar a cultura grega.
Agora, Hera não passa de uma deusa conquistada e subjugada, oriunda de uma ordem mais antiga. Zeus surge de uma cultura invasora, que cultuava deuses do céu e que chegou ao Mediterrâneo vinda do norte, impondo-se sobre as culturas anteriores que ali existiam: a invasão dórica.
Num nível mais profundo, os problemas de relacionamento entre Hera e Zeus simbolizam a dificuldade em se unir as tradições Lunar e Solar na mente humana, pois devemos descobrir como elas podem coexistir e frutificar. Trata-se de dois tipos diferentes de consciência: a Solar: heróica, com sua abordagem linear, lutando pela supremacia e pela perfeição; e a Lunar: cíclica, em busca da harmonia do relacionamento, da conexão, da integração ou da síntese, da totalidade.
Por aí, podemos perceber o quanto temos a aprender com Hera.
"O medo de não ser páreo para a maturidade feminina é a principal causa da dominação e sujeição patriarcal da mulher."


Salada de romã

Ingredientes
2 romãs
1/2 xícara (chá) de trigo claro para quibe
2 cebolas roxas em fatias
Suco de 1 limão siciliano
3/4 de xícara (chá) de salsinha picada
1 colher (chá) de sementes de coentro amassadas
1/4 de xícara (chá) de azeite
Sal a gosto (sempre pouco)

Modo de Preparo: Ponha o trigo em uma tigela e junte 1 xícara de chá de água. Mexa bem e leve à geladeira para hidratar. À parte, regue a cebola com o suco de limão e reserve.  Abra as romãs e retire as sementes e reserve. Escorra o trigo e esprema bem com as mãos para retirar todo o excesso de água. Junte a cebola com o suco de limão, a salsinha, o coentro e o azeite. Tempere com o sal e leve à geladeira até o momento de servir.

Costelinha de porco ao molho de romã
Ingredientes:

1,5 kg de costela de porco
1 xícara (chá) de vinho tinto seco
1 colher (sopa) de mel
1/2 cebola picada
sal e pimenta-do-reino a gosto
 Para o molho
400 g de músculo limpo
colher (sopa) de maisena
1 colher (sopa) de óleo
1/2 cenoura
1/2 talo de salsão pequeno
1 cebola pequena
1 colher (sopa) de extrato de tomate
1 l de água
2 colheres (sopa) de xarope de romã
1 colher (sopa) de mel
3 colheres (sopa) de sementes de romã

Modo de Preparo: Numa tábua, descasque a cebola e pique em pedaços pequenos. Numa assadeira, disponha a costelinha e todos os ingredientes. Deixe marinar por 30 minutos. Enquanto isso, prepare o molho. Preaqueça o forno a 200ºC (temperatura alta).Retire a costelinha da marinada e os pedaços de cebola que ficaram na carne. Transfira a costelinha para uma outra assadeira sobre uma grade. Leve ao forno preaquecido por 30 minutos.  Abaixe a temperatura do forno para 180ºC (temperatura média) e deixe assar por mais 20 minutos ou até que a carne fique dourada. Retire do forno e deixe descansar por 10 minutos. Numa tábua, coloque a costelinha com a parte do osso voltada para cima e corte entre os ossos. Sirva a carne acompanhada do molho. Modo de Preparo do molho: Numa tábua, retire toda a gordura da carne e corte-a em pedaços. Descasque e pique grosseiramente a cebola e a cenoura. Pique o salsão em pedaços. Leve uma panela ao fogo alto. Quando esquentar, coloque o óleo e a carne. Deixe fritar por 2 minutos sem mexer. Vire a carne e deixe fritar. Acrescente a cenoura, o salsão e a cebola, mexa rapidamente. Pare de mexer e deixe cozinhar por 2 minutos. Mexa novamente e deixe cozinhar por mais 2 minutos. Repita esta operação até que a cenoura e a cebola comecem a ficar douradas. Adicione o extrato de tomate e mexa.  Quando o fundo da panela começar a ficar marrom, acrescente 100 ml de água e esfregue o fundo da panela com uma colher de pau, retirando todo o caramelo que se formou. Este processo chama-se deglacear e é fundamental para dar cor e sabor ao molho. Quando a água evaporar e os legumes começarem a fritar novamente, junte mais 100 ml de água e repita o processo acima por mais 4 vezes. Você irá observar que os legumes ficarão marrons. O segredo para um bom molho é ter bastante paciência. Acrescente a água restante e abaixe o fogo. Tampe a panela e deixe cozinhar por cerca de 40 minutos ou até que o molho tenha reduzido 1/3 de seu volume. Retire a panela do fogo. Numa peneira, coloque um pano limpo e despeje o molho. Aperte o pano para que passe todo o caldo possível. Em outra panela, coloque o molho e acrescente o melaço de romã, o mel e a maisena dissolvida em um pouco de molho. Misture bem até que o molho engrosse. Junte as sementes de romã e deixe cozinhar por mais 1 minuto. Retire o molho do fogo e sirva com a carne.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Caetano e as lágrimas de Vênus


  
Nesta terça, sete de agosto, Caetano Veloso comemorou seus 70 anos. E o que falar de Caetano? Rebeldia, música boa, tropicalismo, revolução... Caetano é vários, múltiplos. Mas uma definição feita pela própria irmã dele, Maria Bethânia me parece boa, e serviu como inspiração deste post. Veja o que disse Bethânia em entrevista ao Bom Dia Brasil, na Globo:


[,,,] Desde que eu me entendo por gente Caetano é estranho. Nunca vi um menino ficar sentado de 15h às 18h esperando uma flor que cai uma lágrima às 18h, na idade dele. Estava brincando de bola, ou estava fazendo outra coisa, e ele ficava sentadinho, esperando a lágrima de Vênus cair, chorar, aquela coisa perfumada, meio lírio. A gente brincava de coisas muito fora do normal, tipo faquir. Vamos brincar de faquir, ficar calado, deitado em uma árvore durante muitas horas. Então esse tipo de estranhice, solto, brinca. A gente reclamava de algumas coisas entre nós, a coisa religiosa, uma coisa muito rígida lá dentro de casa. Sexta-feira da Paixão, se cantasse ia para o inferno. Tinham uns terrores. Não meu pai e minha mãe, mas outras pessoas de importância e poder dentro da casa. E a gente olhava assim: ‘Então ta’. E subia e cantava, um pouco de rebeldia. Meu pai e minha mãe nos criaram com muita admiração, observando, permitindo, compreendendo [,,,].

Sim, ele é estranho. E isso fez toda a diferença. E a musica brasileira agradece. E este fato grifado me inspirou a falar sobre as lágrimas de vênus, tão conhecidas pelos gulosos de plantão: os morangos. 


Antes porem de contar como os morangos tornaram-se conhecidos como lagrimas de vênus devo  fazer uma explicação sobre a planta referida na citação de Bethânia: trata-se , provavelmente, do  gengibre branco (Nome Científico: Hedychium coronarium . Nome Popular: Gengibre-branco, lírio-do-brejo, lágrima-de-moça, lírio-branco, borboleta, lágrima-de-vênus, jasmin-borboleta; Família: Zingiberaceae, Divisão: Angiospermae; Origem: Ásia Tropical e com Ciclo de Vida: Perene)

Lágrima de Vênus (flor do gengibre branco)

Excelente planta palustre, o gengibre branco é muito vistoso. Sua folhagem é verde brilhante e muito ornamental. As flores são brancas, grande e muito perfumada e se formam o ano todo. Tem propriedades culinárias e medicinais como o gengibre tradicional.  Este gengibre é ideal para margens de lagos e espelhos de água e serve de abrigo para a fauna silvestre. Seu crescimento é muito rápido. Deve ser cultivada em grupos para melhor valorização de seu efeito paisagístico. Esta planta aprecia solos ricos em matéria orgânica e brejosos, isto é, permanentemente molhados sem, no entanto ficar abaixo da água. Seu porte varia entre 1,5-2,0 metros de altura. Deve se cultivada a pleno sol. Apresenta potencial invasivo. Multiplica-se por divisão das touceiras, tomando o cuidado de deixar uma boa parte de rizoma com cada muda.
Dada a explicação, voltemos aos morangos, Vocês sabem de onde vieram os morangos? Quem disser do supermercado eu  mando  ... risos (senta que lá vem história – e mitologia).
O morango teve origem nos Alpes, onde diferentes espécies de morangos silvestres já eram conhecidos desde os tempos mais antigos. Os romanos o apreciavam muito pelo seu sabor e seu perfume intenso e o chamaram de “fragans”, (Fragaria vesca – o morango silvestre europeu) em italiano ficou “fragola”. Eram muito consumidos especialmente no período das festividades em homenagem a Adônis e a Vênus (Afrodite).
Diz a mitologia que os morangos eram chamados de "lágrimas de Vênus“. Lágrimas que foram derramadas por ela na morte de Adônis, o mais belo dos homens. Ao caírem no solo, as lágrimas transformaram-se em pequenos corações vermelhos (os morangos).
Apenas por volta do século XV o morango começou a ser cultivado em hortas caseiras. No entanto, apesar de fornecerem frutos de excelente qualidade e notável aroma, os morangos de então eram pequenos e sua produção era bastante irregular. Ele é da família das Rosáceas, a mesma a qual pertencem as maçãs, peras, marmelos, ameixas, damascos, pêssegos e muitas outras.
Antigamente eram muito raros, hoje os encontramos durante todo o ano e vai bem com inúmeros pratos. Uma das primeiras da estação e das mais apreciadas pelos italianos são cultivadas em Terracina. No Brasil, o Estado de São Paulo destaca-se como o maior produtor de morangos do país, sendo o extremo sul de Minas Gerais também um polo considerável de cultivo da fruta.

O mito

A figura de Adônis, estreitamente vinculada a mitos vegetais e agrícolas, aparece também relacionada, desde a antiguidade clássica, ao modelo de beleza masculina. Embora a lenda seja provavelmente de origem oriental - adon significa "senhor" em fenício -, foi na Grécia Antiga que ela adquiriu maior significação.
De acordo com a tradição, o nascimento de Adônis foi fruto de relações incestuosas entre Smirna (Mirra) e seu pai Téias, rei da Assíria, que enganado pela filha, com ela se deitou. Percebendo depois a trama, Téias quis matá-la, e Mirra pediu ajuda aos deuses, que a transformaram então na árvore que tem seu nome.
Da casca dessa árvore nasceu Adônis. Maravilhada com a extraordinária beleza do menino, Afrodite (a Vênus dos romanos) tomou-o sob sua proteção e entregou-o a Perséfone (Prosérpina), deusa dos infernos, para que o criasse.
Mais tarde as duas deusas passaram a disputar a companhia do menino, e tiveram que submeter-se à sentença de Zeus. Este estipulou que ele passaria um terço do ano com cada uma delas, mas Adônis, que preferia Afrodite, permanecia com ela também o terço restante.
Nasce desse mito a ideia do ciclo anual da vegetação, com a semente que permanece sob a terra por quatro meses.
Afrodite e Adônis se apaixonaram, mas a felicidade de ambos foi interrompida quando um javali furioso feriu de morte o rapaz. Afrodite ficou inconsolável e quando seu pranto tocou o solo, nasceram os morangos. Sem poder conter a tristeza causada pela perda do amante, a deusa instituiu uma cerimônia de celebração anual para lembrar sua trágica e prematura morte.
Em Biblos, e em cidades gregas no Egito, na Assíria, na Pérsia e em Chipre (a partir do século V a.C.) realizavam-se festivais anuais em honra de Adônis.
Durante os rituais fúnebres, as mulheres plantavam sementes de várias plantas floríferas em pequenos recipientes, chamados "jardins de Adônis". Entre as flores mais relacionadas a esse culto estavam as rosas, tingidas de vermelho pelo sangue derramado por Afrodite ao tentar socorrer o amante, e as anêmonas, nascidas do sangue de Adônis.

E para deixar essa conversa mais animada, menos triste e mais saborosa e perfumada, vamos a receita:

Risotto com Morangos e Gengibre Branco Crocante

60 g de Arroz Arbóreo
50 ml de Vinho Branco Seco
50 g de Manteiga sem Sal
300 ml de Caldo de Legumes
1/2 cebola Branca bem picada
60 g de Parmesão Ralado
5 morangos cortados em 4
10 g de gengibre branco cortado em tirinhas finas
100ml de Óleo de soja

Modo de preparo: Aqueça o caldo em uma panela separada e deixe-o ferver. Doure a cebola na manteiga e acrescente o arroz arbóreo, Frite um pouco e some o vinho branco até que esse evapore. Vá acrescentando o caldo aos poucos, uma concha de cada vez, sem que essa cubra todo o arroz, e mexa até evaporar por completo. Faça isso até que o caldo acabe, acerte o sal, ou vá provando o arroz para ver o ponto, Apague o fogo e acrescente o queijo parmesão os morangos e a manteiga. Sirva quente. Gengibre Crocante Acrescente o óleo de soja e aqueça, assim que estiver quente acrescente as tirinhas de gengibre e frite, Separe e acrescente em cima do risotto