sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Comida de santo: caruru para Cosme e Damião


Hoje é dia de receber doces – e ainda não é o halloween. É dia de Cosme e Damião, santos conhecidos como protetores das crianças. E como eu ainda me considero uma criança [risos] não poderia deixar de falar deles nesta data.  E se você receber doces no dia de hoje faça um pedido e ele logo se realizará – pelo menos é o que dizem. 
Mas apesar de eu amar doces, hoje vou falar de salgado e, particularmente de um ingrediente que muita gente detesta: o quiabo, elemento base do Caruru - considerado um quitute dedicado a Cosme e Damião. Porem para entendermos melhor esta ligação, faz necessárias algumas explicações.


Popularmente conhecidos como os santos meninos, os gêmeos Cosme e Damião, na verdade, chamavam-se Acta e Passio e eram médicos árabes. Eles viveram em plena época do Império Romano e realizavam verdadeiros milagres, não cobrando pelas suas consultas. Toda essa fama dos irmãos incomodou o imperador Deocleciano, que mandou prender os dois que, depois de mortos, passaram a ser os padroeiros das crianças.


No Candomblé e na Umbanda, o dia de Cosme e Damião é 27 de setembro. Nessas crenças, eles são conhecidos como os orixás Ibejis. São filhos gêmeos de Xangô e Iansã. Os devotos e simpatizantes têm o costume de fazer caruru (uma comida típica da tradição afro-brasileira), chamado também de “Caruru dos Santos” e “Caruru dos sete meninos” que representam os sete irmãos (Cosme, Damião, Dou, Alabá, Crispim, Crispiniano e Talabi), e dar para as crianças.

Numa antiga lenda africana, dois príncipes gêmeos traziam sorte para o reino, resolvendo todo tipo de problema, pedindo em troca apenas doces, balas e brinquedos. Bastante bagunceiros, um deles se acidentou ao brincar numa cachoeira. O irmão que sobrou ficou tão triste que pediu para se encontrar com o outro no céu. Assim, Orunmilá atendeu o desejo do pequeno príncipe, deixando na terra duas imagens feita de barro, representando os meninos.




O caruru de Cosme e Damião está inserido nos cultos afro-brasileiros que celebram os santos gêmeos a 27 de setembro, um dia após os mesmos serem lembrados pela Igreja Católica. Os santos Acta e Passio, alguns dizem que eram originários da Síria e Armênia, pregavam o cristianismo, "curando as doenças em nome de Jesus Cristo e pelo seu poder". Passaram depois a ser conhecidos como Cosme (O Enfeitado) e Damião (O Popular). Foram perseguidos e mortos por Diocleciano (303), acabaram padroeiros de cirurgiões, físicos, farmacêuticos e faculdades de medicina em geral. Além de barbeiros e cabeleireiros.
Veremos a seguir que Cosme e Damião acabaram juntando crenças dos três povos que formaram a base da nação brasileira: índios, brancos e negros. A devoção em Cosme e Damião foi trazida pelos colonizadores portugueses, mas os escravos que aqui vieram, todos da África Ocidental (Angola, Costa do Marfim, Guiné, Congo), mantiveram os rituais religiosos e a fé nos deuses de sua terra distante. Inclusive nos orixás-meninos (Ibejís). Os africanos então aprenderam a sincretizar seus orixás com os santos católicos, cujos cultos lhes eram impostos.


Na festa manda a tradição distribuir brinquedos e doces com a criançada; porque, segundo se acredita, só assim serão atendidos os pedidos feitos aos Santos. Em muitos lugares, especialmente na Bahia, a celebração se faz sobretudo com mesa farta, servindo-se pratos preparados com azeite (de dendê, claro), usado sobretudo em peixes, mariscos e vegetais, próprios para dias de abstinência e jejum. Entre eles abará, acarajé, bobó de camarão, efó, frigideiras, maxixadas, moquecas, vatapá, xinxim de galinha; e, principalmente, o Caruru. Diz a tradição que primeiro caruru deve-se se servir a sete crianças (preferencialmente meninos) que o comem com as mãos, sentadas no chão.
O termo caruru vem de caá (folha) ruru (inchada), receita indígena feita originalmente apenas de ervas socadas com pimenta, no pilão. Os escravos africanos foram acrescentando novos ingredientes: amendoim, azeite de dendê, camarão seco, castanha de caju, cebola, gengibre, quiabo. E quanto mais quiabo tenha o caruru, mais importante é o prato. A receita foi depois levada de volta para África, em cada lugar recebendo nomes diferentes: calulu em Moçambique, Congo, Cabinda e São Tomé; funji de peixe, em Luanda; obbé em Nigéria e Daomé.

O caruru "completo" é servido em pratos de najé, acompanhado por xinxim de galinha, vatapá, arroz, milho branco, feijão fradinho, feijão preto, farofa, acarajé, abará, banana-da-terra frita, rapadura, inhame e pipoca.
A história da devoção a São Cosme e São Damião é antiga e atravessa continentes. Na Bahia, a fé nos santos irmãos ganhou importância principalmente pelo sincretismo com Ibeji, o orixá duplo dos nagôs, que representa os gêmeos. A mistura foi tão completa que ultrapassou a fronteira das religiões e classes: católicos e adeptos do candomblé, ricos e pobres oferecem a mesma comida sacrificial do candomblé às imagens dos santos cristãos. E mais, chega-se a fabricar imagens dos santos que incorporam uma terceira figura – Doú – uma corruptela de “idowu”, o nome dado, numa família nagô, àquele que nasce depois de um par de gêmeos. “Sempre tidos como muito traquinas, os idou deram origem ao ditado nagô: Exu lehin Ibeji – Exu vem depois dos Ibeji”.

Ibeji
Os santos são católicos, mas a forma de homenageá-los é africana. Os iorubás, em suas várias etnias, entendem o sacrifício, o ebó, como a forma essencial da sua comunicação com os orixás”. O caruru – dos Ibeji ou de São Cosme e São Damião “seria, então, mais do que uma oferenda, mas um sacrifício: o que na Bahia, o povo-de-santo chama de ‘obrigação’, que tem um preço e custa dinheiro. É como se desfazer de algo muito valioso.
Nas últimas décadas, tem sido feita frequentemente uma associação entre os santos católicos e os erês, que é um estado infantilizado do transe no candomblé. Por isso, inclui-se a distribuição de balas, doces e refrigerantes nas homenagens aos santos, especialmente no Rio de Janeiro. Mas são poucas as casas de candomblé que fazem obrigações para os Ibeji, geralmente discretas e não necessariamente em setembro. Outro detalhe é que não se tem notícias de filhos-de-santo de Ibeji na Bahia.

Pontos interessantes dessa história toda:


A fertilidade das iorubás, que tem inclusive motivado pesquisas médicas, provavelmente é um dos motivos da importância dos santos e orixás irmãos. A Nigéria, inclusive, é o país com o maior índice de nascimento de gêmeos no mundo inteiro.

No modo africano de homenagear os Ibeji e também outros orixás, o pedido de esmola para a preparação da comida é um ponto fundamental. A mesma tradição já existiu na Bahia, mas foi abandonada pela maioria das pessoas. Entretanto, ainda é possível encontrar quem mantenha esse costume, inclusive fora da Bahia.

Existem várias recomendações para quem faz o caruru, que cada um escolhe obedecer ou adaptar. Quem oferece o caruru deve cortar o primeiro quiabo e, depois de pronto, colocar a comida aos pés dos santos em vasilhas novas e fazer um pedido. A galinha do xinxim não pode ser comprada morta. Durante a festa não deve ser servida bebida alcoólica. E quem encontrar no prato um quiabo inteiro deve oferecer um caruru no próximo ano.

E se você se interessou por esta historia poderá descobrir mais com as indicações de leitura abaixo. E, apesar de eu não ser do candomblé ou da umbanda, não custa nada distribuir uns docinhos e nem preparar um caruru.

LIMA, Vivaldo da Costa. Cosme e Damião: o culto aos santos gêmeos no Brasil e na África. Salvador: Corrupio, 2005.
____. Oferendas e sacrifícios: uma abordagem antropológica. In: FORMIGLI, Ana Lúcia (Org). Parque Metropolitano de Pirajá: história, natureza e cultura. Salvador: Centro de Educação Ambiental São Bartolomeu/Editora do Parque, 1998, p. 57-65.
TAVARES, Odorico. Bahia: imagens da terra e do povo. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1951..


CARURU


Ingredientes
2 kg de quiabo
5 cebolas
300 gr de camarão seco
250 gr de amendoim
250 gr de castanha de caju
1 colher de chá de gengibre ralado
1 xícara de azeite de dendê
Sal


Preparo: Lave o quiabo, deixe escorrer e seque bem. Pique bem miúdo. Reserve. Passe as cebolas no processador. Reserve. Passe metade do camarão seco no processador. Reserve. Bata no liquidificador o amendoim e a castanha com meio copo de água. Reserve. Em uma panela coloque azeite de dendê. Refogue cebola e quiabo. Junte os camarões secos (os triturados e os inteiros). Depois, junte também gengibre, castanha e amendoim. Se necessário, coloque sal. Deixe no fogo, até engrossar e os caroços do quiabo estiverem meio rosados. Retire do fogo e sirva com arroz branco.

4 comentários:

  1. Boa matéria...Um pouco de religião e culinária...Hummm...rs

    ResponderExcluir
  2. Parabens beijo salve cosme e Damião doum e todas as criancas

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, durante quanto tempo a comida oferecida fica no najé aos pés dos santos?

    ResponderExcluir
  4. Tenho que paga uma promeca que minha sogra fez a são Cosme e Damião ,só que tenho que i na Bahia ela me fez promete antes de falece,era promeca dela salvou meu filho que tava desenganado pelos médicos e faze um caruru para são Cosme e Damião

    ResponderExcluir