quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O sanduiche que mobilizou uma nação

         Tem dias que a preguiça fala mais alto e você não tem coragem nem de cozer um ovo pra comer? Existem outros dias em que a correria é grande e você não arranja tempo nem pra si coçar? E de repente o que você pensa em fazer para matar a fome? Já adianto que, com certeza, não se trata de comer miojo – até porque eles enjoam a gente. Então a resposta mais apropriada seria: comer um sanduiche. Acertei?
O sanduiche é geralmente a forma mais rápida e prática de forrar o estômago para muitas pessoas – sobretudo nos dias atuais, com tantas lojas especializadas na fabricação deste tipo de lanche/alimento.

As preocupações da atualidade com a obesidade, presente cada vez em números maiores nas nações, fazem estudiosos e cientistas soltarem na mídia índices e informações que indiretamente acusam a globalização pelo alto consumo dos sanduiches.
Assim sendo, para levantar um questionamento que vai além do simples ato de comer um sanduiche, vou contar um fato real que tem os sanduiches como protagonistas – ou coadjuvantes, como  queiram.
Muitas vezes, quando pesquisamos a história da humanidade descobrimos que grandes mudanças ocorreram a partir de episódios simples, sem efeitos especiais e com heróis e bandidos de carne e osso, e como munição pesada.
Para exemplificar esta afirmação usarei o caso da extinta União Soviética, que sofreu mudanças drásticas com o seu declínio e presenteou o mundo com cenas difíceis de serem apagadas da memória. Uma destas cenas foi registrada meses após a queda do Muro de Berlim, quando a McDonalds - principal rede de fast-food do mundo, e um dos ícones do capitalismo, abriu sua primeira filial em Moscou – se tornando onipresente na terra.

Direto do túnel do tempo... Esta foto foi divulgada no site russo Warnet.  Ela retrata a aglomeração dos passantes para entrar na primeira loja McDonalds, inaugurada em 31 de janeiro de 1990, de fronte à Praça Pushkin. De acordo com o site, horas antes da abertura, mais de trinta mil pessoas se aglomeravam, umas até formavam fila, e se acotovelavam no frio, com vários graus abaixo de zero, à espera de se deleitar com o sanduíche que para muitos deveria ter um gosto com sabor proibido. Não ficou satisfeito com a foto? Tudo bem, olha o  vídeo (risos).





Este fato, registrado, foi apenas um dos simples acontecimentos que simbolizaram como poucos, a mudança radical “saboreada” durante a transição da União Soviética para a atual Federação Russa.
Degustar um Big Mac naquela ocasião representava o sabor que anteciparia o final da Guerra Fria. Eu te pergunto: seu sanduiche já teve um significado maior pra você?
E como eu não incentivo preguiça, segue a receita do Big Mac caseiro.

Big Mac Caseiro
(para 8 Big Mac)

1 quilo de carne moída
1 pé de alface, picado finamente
3 pepino fresco, em rodelas finas
8 pães de hambúrguer
150 gramas de queijo cheddar em fatias finas
Molho especial:
1 cebola grande picada
azeite de oliva (dividido 3/4 xícara para alioli e 1/2 xícara para o molhos especial)
2 colherinhas de vinagre, separados
Ketchup
1/2 xícara de açúcar
1 gema de ovo
2 colheres de molho doce
2 colherinhas de suco de limão
Sal
1 colher de colorau

Preparo: Para fazer o molho especial e que ele fique quase igual ao do Mc Donald's, o melhor é preparar o alioli caseiro e misturá-lo com o molho francês. Para o alioli caseiro: Em uma tigela grande bata bem a gema de ovo com 1 colherinha de vinagre, 1 colherinha de suco de limão e uma pitada de sal. Continue batendo e comece a adicionar ¾ xícara de azeite de oliva, mas gradualmente, sem deixar de bater. Quando acabar de colocar o azeite, o molho deve ser um pouco espesso. Experimente como está o sal, se for necessário adicione mais e, em seguida, adicione a colher de suco de limão. Molho francês: Em uma tigela, bata o ketchup, o açúcar, a cebola picada, 1 colher de molho doce, 1 colher de vinagre, o colorau e uma pitada de sal. Adicione, sem deixar de bater, ½ xícara de óleo de oliva, lentamente. Adicione o molho francês ao alioli caseiro. Misture bem, experimente o gosto, você pode não precisar de todo o molho francês para dar aquele toque especial à maionese. Decore com uma pitada de colorau por cima. Tempere a carne com sal, pimenta e óleo de oliva, e separe-a em 8 porções. Cozinhe na grelha por alguns minutos de cada lado, adicione o queijo cheddar no último minuto para que derreta. Montage: Comece com o pão do fundo, adicione o molho especial, alface picada, um hambúrguer com queijo e um par de pepinos. Pare aqui, ou adicione a segunda camada ... Tire o fundo de um segundo pão para usá-lo no meio. Adicione o molho especial e coloque o hambúrguer com alface e picles.

domingo, 28 de agosto de 2011

Cearapão 2011



Depois de três dias seguidos de muita comida, risadas, cafés, palestras, etc. venho dividir com vocês um pouco do que pudemos conferir na Cearapão 2011.
Este ano, este Barão pode ir ao evento na Companhia da Baronesa do Crato de Açúcar, Célia Augusta; Jesus Andrade; Raissa Furtado e Pedro Júlio.
Raissa, Eu e Célia
Entre os dias 24 e 26 de agosto de 2011 aconteceu aqui em Fortaleza, no Centro de Negócios do Sebrae, a segunda edição da Cearapão – Segunda Feira da Indústria de Panificação e Gastronomia. O evento é uma iniciativa da Associação Cearense da Indústria de Panificação- ACIP que tem como objetivo contribuir para o crescimento e fortalecimento de toda a cadeia produtiva da panificação e food service no estado do Ceará.
Tendo como público-alvo: empresários da panificação e confeitarias; funcionários da Panificação (Padeiros, Confeiteiros, doceiros e outros); empresários e funcionários do Food Service: lanchonetes, bares, restaurantes, pizzarias, soverterias, auto serviço, conveniência e outros; pessoas envolvidas com a área gastronômica (gastrônomos, Culinaristas, estudantes).
O tema deste ano "Capacitação e Inovações Tecnológicas" norteou toda a programação do eventos composta por palestras, concursos, oficinas e outras atividades, onde pudemos reencontrar amigos do mundo gastronômico, provar as novidades do mercado da panificação e confeitaria, ver os maquinários em teste in loco, além de colocar o papo em dia – comentando sobre cada ocorrido.
A grande inovação para este ano fora o destaque dado aos produtos e marcas que trabalham com sorvetes e chocolates -  produtos que atualmente estão agregados aos negócios do setor de panificação e são muito consumidos em padarias. E como não poderia deixar de ser, mais um show de criatividade no concurso de pães, tortas e sanduíches que ocorreu na PADARIA SHOW (A Padaria Show é a exposição dos mais importantes equipamentos e produtos necessários para a linha de produção e atendimento de uma padaria).
Aproveito para fazer alguns agradecimentos;
Ao presidente da ACIP, José Antônio Nogueira, pela seriedade como vem tratando o mercado e os profissionais da panificação, confeitaria e gastronomia de modo geral;
Ao chef Alexandre Bispo, da Harald, pelos esclarecimentos sobre o manuseio dos diferentes tipos de chocolate;
Eu, Chef Alexandre Bispo, Raissa e Célia
Ao casal do Treviolo Café, Renato e Nara, que nos apresentaram um café que de qualidade;
Eu, Célia, Renato e Nara
Ao stand do café Santa Clara, pelo incontável capuccinos que tomamos por lá;

A Casa Garcia Gourmet pela sua abertura, em breve, nesta cidade.

Posto estes agradecimentos, como profissional da área da gastronomia e do turismo, áreas que envolvem diretamente o evento, tenho algumas reclamações a fazer quanto à organização desta edição do Cearpão, que este ano mostrou certa dificuldade na gestão do evento. Espero que próximo ano os itens a seguir sejam revistos e repensados para uma maior qualidade do evento:
Rever o sistema de inscrição on line – que este ano não funcionou nem por obra do Divino, invalidando todas as inscrições feitas pela internete, fator que ocasionou filas intermináveis para a feitura das inscrições;
Pensar numa solução para evitar a presença de cabos de energia e afins espalhado por debaixo dos tapetes - o que ocasionou quedas e tropeços de muitos visitantes;
Melhorar o serviço de informação ao visitante – para esclarecer melhor os ambientes onde ocorriam as oficinas e organizar as inscrições das mesmas;
Rever a quantidade de lixeiras – este ano tinham pouquíssimas e superlotadas srsrrs;
Procurar fazer a instalação e a manutenção dos stands fora do horário de programação do evento – pra evitar desconforto dos passantes;
Primar pelo cumprimento dos horários da programação.
Confiram as fotos do evento e depois aproveitem pra se deliciar com a receita, dica do Chef Alexandre Bispo.
Jesus, Raíssa, Eu, Mattu Macedo, Célia e Geny France

Eu, Célia e Pedro Júlio
A nobreza com Artur - gerente administrativo da Casa Garcia
Eu, Geny France, Pedro e Célia
Célia, Jesus, Eu e Raíssa






Licor de chocolate em copinhos

Ingredientes para o licor de chocolate 
3 colheres (sopa) de Chocolate em pó 50% 
1 lata de Ieite condensado 
a mesma medida da lata de açúcar 
a mesma medida da lata de água filtrada 
a mesma medida da lata de aguardente ou álcool de cereais 
1 colher (sobremesa) de essência de baunilha 
Ingredientes para o copinho 
300g de Chocolate Meio Amargo

Modo de preparo do licor: Leve ao fogo a água, o açúcar e Chocolate em pó 50% até levantar fervura. Deixe esfriar e bata no liquidificador junto com os demais ingredientes. Coloque em uma garrafa apropriada para licor. Agite sempre antes de servir. Modo de preparo dos copinhos:  Derreta e tempere o Chocolate Meio Amargo conforme as instruções da embalagem. Encha as cavidades da fôrma de copinhos. Aguarde aproximadamente 3 minutos. Vire para escorrer o excesso, formando assim uma casquinha. Leve à geladeira para uma rápida pré-cristalização. Retire da geladeira, encha novamente, aguarde 2 minutos e vire para escorrer o excesso. Leve à geladeira para completar a cristalização. Desenforme. Coloque o licor e sirva. Montagem:  Coloque o licor nos copinhos e sirva.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Hojé é dia de comemorar: 22 de agosto, dia do folclore.

         Eu já vi saci, hoje, usando gorro novo; Vi a Iara com a voz aquecendo e o Boto usando terninho bonito... Tudo isso porque hoje é dia do folclore e vai ter  festa na mata! 22 de agosto é a data oficial para a festa destes seres aqui no Brasil desde 1965, quando foi criada por um decreto federal. Mas essa história toda começa bem mais lá atrás...

Foi no dia 22 de agosto de 1846, que o arqueólogo inglês William John Thoms escreveu um artigo em que propôs que, para se falar das diferentes narrativas, costumes, cantos e afins dos povos, fosse utilizada a expressão Folk-Lore. As duas palavras, de origem saxônica, querem dizer, respectivamente, povo e sabedoria. Foi só questão de tempo para ela virar o folclore, ou o saber do povo.
William John Thoms
O dia 22 de agosto como dia do folclore brasileiro  foi instituído em 1965 através do decreto federal nº 56.747/65, assinado pelo então presidente Humberto Castelo Branco.
Reza o documento em seu artigo primeiro que: “ Será celebrado a 22 de agosto, em todo o território nacional o Dia do Folclore” (BRASIL, Decreto nº 56.747, 1965). O referido documento foi inspirado na Carta do Folclore Brasileiro de 1951, elaborada e aprovada durante o I Congresso Brasileiro de Folclore no referido ano, fruto dos costumes de índios, negros e brancos, o folclore nacional é composto de inúmeros elementos que variam entre si, de acordo com cada região do país. (Carta do folclore brasileiro na íntegra http://www.fundaj.gov.br/geral/folclore/carta.pdf ).
O folclore brasileiro, portanto, é a cultura de nosso povo e não há nada mais nacional do que ele. Afinal, ele é precisamente o conjunto das tradições culturais dos conhecimentos, crenças, costumes, danças, canções e lendas dos brasileiros de norte a sul. Formada pela mistura de elementos indígenas, portugueses e africanos, a cultura popular brasileira é riquíssima.
Na área musical, por exemplo, são inúmeros e muito variados os ritmos e melodias desenvolvidos em nosso país. É o caso do frevo, do baião, do samba, do pagode, da música sertaneja... Há ainda as danças típicas das festas populares, como o bumba-meu-boi, o forró, a congada, a quadrilha e - é claro - o próprio carnaval, um verdadeiro símbolo de nosso país.
Um dos aspectos mais interessantes do folclore brasileiro, porém, são os seres sobrenaturais que povoam as lendas e as superstições da gente mais simples. O mais popular é o Saci, um negrinho de uma perna só, que usa um barreta vermelho, fuma cachimbo e adora travessuras, como apagar lampiões e fogueiras ou dar nó nas crinas dos cavalos.
Mas há vários outros seres fantásticos em nosso folclore: o Curupira, um anão de cabelos vermelhos, que tem os pés ao contrário; a Mula-sem-cabeça, que solta fogo pelas narinas; a Boiúna, cobra gigantesca cujos olhos brilham como tochas; e o Lobisomem, o sétimo filho homem de um casal, que vira lobo nas sextas-feiras de luas cheias, entre outros.
Caso queira conhecer mais histórias dessas fantásticas criaturas, você pode procurar as obras do folclorista Luís da Câmara Cascudo ou de Monteiro Lobato, como "O Saci ".


Bolo de Batata-Doce de Festa
Ingredientes:
1 kg de batata doce
2 colheres (sopa) de manteiga
3 ovos
100 g de coco ralado
3 colheres (sopa) açúcar refinado
1 lata de leite condensado
2 colheres (sopa) fermento em pó
Cobertura:
1 pacote de bolacha Maria triturada
1 xícara de açúcar de confeiteiro
1/2 xícara de suco de laranja 

Preparo: Cozinhe e esprema as batatas. Reserve. Bata na batedeira o açúcar refinado e a manteiga. Junte os ovos um a um. Acrescente o coco, o leite condensado e o fermento bata novamente. Junte por último a batata e mexa bem. Coloque a massa em forma untada e polvilhada Asse em forno médio por 45 minutos. Cobertura: Misture todos os ingredientes e coloque sobre o bolo ainda quente.

sábado, 13 de agosto de 2011

Fata Morgana (Morgana das Fadas)

Na minha vida a busca pela exploração constante dos meus sentidos é obrigatória! Fico contente quando posso me surpreender com as reações que meus sentidos são capazes de gerar – tenho uma sensibilidade muito aguçada, o que por si só já facilita muita coisa.
Pois bem, gosto do belo, da boa música, da boa comida, da boa bebida. Dou-me as boas conversas, as boas leituras. E numa destas leituras descobri uma maravilha líquida que já passei a degustar explorando todo o glamour do nome que ostenta: Fata Morgana (Drink).
E para dividir com vocês a receita que recentemente aprendi desta bebida surpreendente, resolvi escrever este post e dedicá-lo aos estudiosos e curiosos da cultura celta, que como eu, têm interesse pela lendária figura de Morgana (ou como é conhecida por seus vários nomes: Morgan Le Fay, Morgana das Fadas ou Fata Morgana), figura polêmica, astuta, mágica e cheia de histórias interessantíssimas...
Morgan le Fay, by Anthony Frederick Sandys(1829–1904), 1864 (Birmingham Art Gallery)
Morgana representa na lenda arturiana, a figura da magia (uma Deusa Tríplice da morte, da ressurreição e do nascimento, incorporando uma jovem e bela donzela, uma vigorosa mãe criadora ou uma bruxa portadora da morte), e faz seu debut literário No início do século XII, no poema de Godofredo de Monntouth intitulado "Vita Merlini", como feiticeira benigna – ele ainda descreveu a ilha da Felicidade, onde viviam as nove irmãs. A mais jovem Morgue (Morgana), conhecia todas as qualidades medicinais das ervas, dominava a arte de alterar as figuras e tinha o poder de se elevar no ar como um pássaro. Foi ela quem recolheu o rei Artur após a sua derrota, curou-o de suas feridas, retendo-o até o dia em que retornou à Bretanha para libertá-la. Layamon, autor de um poema narrativo inglês é o primeiro a descrever como a mulher levou Artur pelas águas e não simplesmente recebendo-o na sua chegada.

 Mas sob a pressão religiosa, os autores a convertem em uma irmã bastarda do rei, ambígua, freqüentemente maliciosa, tutelada por Merlim, perturbadora e fonte de problemas.
Nenhum personagem feminino foi tão confusamente descrito e distorcido como Morgana. A tradição cristã a apresenta como uma bruxa perversa que seduz seu irmão mais novo, Artur, e dele concebe o filho. Entretanto, nesta época, em outras tribos celtas, como em muitas outras culturas, o sangue real não se misturava e era muito comum casarem irmãos, sem que isso acarretasse o estigma do incesto. Morgana e Artur tiveram um filho fruto de um Matrimônio Sagrado entre a Deusa (Morgana encarna como Sacerdotisa) e o futuro rei.
O "Matrimônio Sagrado" era um ritual, no qual a vida sexual da mulher era dedicada à própria Deusa através de um ato de prostituição executado no templo. Essas práticas parecem, sob o ponto de vista da nossa experiência puritana, meramente licenciosas. Mas não podemos ignorar que elas faziam parte de uma religião, ou seja, eram um meio de adaptação ao reino interior ou espiritual.
Beltane - O Matrimônio Sagrado
Práticas religiosas são baseadas em uma necessidade psicológica. A necessidade interior ou espiritual era aqui projetada no mundo concreto e encontrada através de um ato simbólico Se os rituais de prostituição sagrada fossem examinados sob essa luz, torna-se evidente que todas as mulheres devessem, uma vez na vida, dar-se não a um homem em particular, mas à Deusa, a seu próprio instinto, ao princípio Eros que nela existia. Para a mulher, o significado da experiência devia residir na sua submissão ao instinto, não importando que forma a experiência lhe acontecesse. Depois de passar por essa iniciação, os elementos de desejo e de posse ficam para trás, transmutados através da apreciação de que sua sexualidade e instinto são expressões de força de vida divina cuja experiência no plano humano. 
O "matrimônio sagrado" envolve o mistério da transformação do físico para o espiritual, e vice-versa. Cada pessoa conecta-se com o universo como se fosse célula única no organismo do campo planetário da consciência. A partir da união do humano com o divino, a "Criança Divina" nasce. A "Criança Divina" é a vida nova, vida com nova compreensão, vida portadora de visão iluminante para o mundo.
Um sinal de popularidade dessa lenda, na Itália, encontra-se na locução jata Morgana (fada Morgana), que passou a designar a miragem que mostra imagens invertidas de objetos invisíveis. Quando os raios luminosos se refratam e refletem em camadas atmosféricas curvas e irregulares, a miragem produz imagens deformadas em todas as direções, fragmentadas e repetidas, às vezes mais próximas, às vezes mais afastadas uma das outras. Essa forma de miragem é, provavelmente, a origem de numerosas lendas referentes a monstros marinhos de dimensões e formas bizarras, bem como dos navios fantasmas que às vezes parecem surgir nos horizontes dos mares. 
Exemplo de miragem fatamorgana
Alguns supostos aparecimentos milagrosos de santos têm sido atribuídos à ocorrência desse tipo de miragem, capaz de sugerir formas alongadas muito análogas às de um homem ou mulher vestidos com uma longa túnica. Isso ocorreu, recentemente, no Rio Grande do Sul. Dois exemplos notáveis dessas miragens atribuídas à fada Morgana são as imagens fantásticas que atraíam o povo às margens do mar em Nápoles e em Régio, na costa da Sicília. Um outro exemplo célebre, observado há séculos no estreito de Messina, é a miragem na qual as casas do lado oposto parecem transformadas em castelos, palácios, torres etc, numa das mais feéricas imagens já vistas.

MAS QUEM ERA MORGANA?

Como muitos indivíduos legendários e românticos, há versões conflitantes sobre quem foi Morgana. O historiador e cronista do século XII, Geoffroi de Monmouth, escreveu que "sua beleza era muito maior do que a de suas nove irmãs. Seu nome é Morgana e ela aprendeu a usar todas as plantas para curar as doenças do corpo. Ela também conhece a arte de mudar de forma, de voar pelo ar...ela ensinou astrologia às irmãs."
Relatos antigos contam-nos que ela era uma Velha Deusa da Sabedoria, a Senhora e Rainha de Avalon, a Alta Sacerdotisa da Antiga Religião Celta. Aprendeu magia e astronomia com Merlim. Alguns achavam que ela era uma "fada arrogante", pois era símbolo de rebeldia feminina contra a autoridade masculina. Quando zangada, era difícil agradar ou aplacar Morgana; outras vezes, podia ser doce, gentil a afável. Também era descrita como "a mulher mais quente e sensual de toda a Grã-Bretanha."
Morgana era um enigma aos seus adversários políticos e religiosos. Os escrivões cristãos transformaram-na em demônio, talvez devido ao seu papel como sacerdotisa de uma Antiga Religião, que eles estavam tentando desacreditar nas suas investidas para cristianizar a estrutura de poder da Grã-Bretanha. Ela, entretanto, defendeu valentemente a fé das Fadas e as práticas dos druidas, achando entre os camponeses simples seus mais fiéis seguidores. Ela negou as acusações de prostituição dos monges e missionários cristãos.
É Morgana, que depois da batalha final, ampara o irmão ferido de morte e o cuida com o zelo de uma mãe e consoladora espiritual.
O cristianismo menospreza o poder e o conhecimento de Morgana, do mesmo modo com que impediu a mulher à ascender ao sacerdócio, anulando completamente o seu poder pessoal.

Morgana é a fada mais bela das que habitam Avalon. Não existem fundamentos suficientes para se acreditar que Avalon seja o lugar que a cultura celta atribuí como residência dos mortos. O que se sabe é que quando Artur é transportado sobre as águas em companhia das mulheres com destino a Avalon, se perde no horizonte do mito imemorial. Este é o pano de fundo sobre o qual se desenvolvem as diferentes lendas relativas à partida e imortalidade de Artur, que supostamente continua vivo dentro de uma caverna ou em uma ilha. Estas mulheres que acolheram Artur pertencem ao mundo das fadas, que provavelmente foi antes um mundo de deusas.
Segundo Robert Graves e Kathy Jones, a Morg-Ana "surgiu da união das estrelas com o ventre de Ana". Muitas vezes foi equiparada as Deusas Morrigan e Macha, que presidiam as artes da guerra. Entretanto, como fada controlava o destino e conhecia as pessoas.  Famosa por seus poderes de cura, seu conhecimento de plantas medicinais e sua visão profética, era uma xamã capaz de alterara a sua forma, tomando o aspecto de diferentes animais para utilizar seu poder.
Em "L'Histoire de Merlin", temos uma descrição bastante detalhada de Morgana, indicando seu verdadeiro caráter e também os estreitos vínculos que estabelece com a Deusa Mãe primitiva:  

"Era a irmã do rei Arthur. Era muito alegre e jovial, e cantava de forma muito agradável; seu rosto era moreno, mas bem metida em carnes, nem demasiadamente gorda nem demasiadamente magra, de belas mãos, de ombros perfeitos, a pele mais suave que a seda, de maneiras afáveis, alta esguia de corpo, em resumo, sedutora até o milagre; a mulher mais cálida e mais luxuriosa de toda a Grã Bretanha. Merlim havia lhe ensinado astronomia e muitas outras coisas, e havia se aplicado ao máximo, de maneira que havia se convertido em uma boa sacerdotisa, que mais tarde recebeu o nome de Morgana a Fada, em virtude das maravilhas que realizou. Se explicava com uma doçura e uma suavidade deliciosas, e era melhor e mais atrativa que tudo no mundo, embora tivesse sangue frio. Porém quando queria alguém, era difícil acalmá-la..."

Esse é decididamente o retrato da Deusa Mãe primitiva, com toda sua ambigüidade, as vezes boa, outras nem tanto, "cálida e luxuriosa", como a Grande Deusa oriental e, "virgem", pois não se submete à autoridade masculina. Observemos também que Merlim ensinou-lhe magia do mesmo modo com que fez com Viviana, a Dama do Lago. Outras versões da história do Merlim, versões hoje perdidas, porém cujo rastro encontramos na célebre obra do século XV devido a Thomas Malory, "La muerte de Arturo", vasta compilação dos relatos da Távola Redonda, outras versões levam a pensar que Merlim foi amante de Morgana antes de sê-lo de Viviana.

Morgana fala...

Em vida, chamaram-me de muitas coisas: irmã, amante, sacerdotisa, maga, rainha. O mundo das fadas afasta-se cada vez mais daquele em que cristo predomina. Nada tenho contra o Cristo, apenas contra os seus sacerdotes, que chama a Grande Deusa de demônio e negam o seu poder no mundo. Alegam que, no máximo, esse seu poder foi o de Satã. Ou vestem-na com o manto azul da Senhora de Nazaré – que realmente foi poderosa, ao seu modo –, que, dizem, foi sempre virgem. Mas o que pode uma virgem saber das mágoas e labutas da humanidade?
E agora que este mundo está mudado e Arthur – meu irmão, meu amante, rei que foi e rei que será – está morto (o povo diz que ele dorme) na ilha sagrada de Avalon, é preciso contar as coisas antes que os sacerdotes do Cristo Branco espalhem por toda parte os seus santos e lendas.
Pois, como disse, o próprio mundo mudou.
Houve tempo em que um viajante se tivesse disposição e conhecesse apenas uns poucos segredos, poderia levar sua barca para fora, penetrar no mar do Verão e chegar não ao Glastonbury dos monges, mas à ilha sagrada de Avalon: isso porque, em tal época, os portões entre os mundos vagavam nas brumas, e estavam abertos, um após o outro, ao capricho e desejo dos viajantes. Esse é o grande segredo, conhecido de todos os homens cultos de nossa época: pelo pensamento criamos o mundo que nos cerca, novo a cada dia.
E agora os padres, acreditando que isso interfere no poder do seu Deus, que criou o mundo de uma vez por todas, para ser imutável, fecharam os portões (que nunca foram portões, exceto na mente dos homens), e os caminhos só levam à ilha dos padres, que eles protegeram com o som dos sinos de suas igrejas, afastando todos os pensamentos de um outro mundo que viva nas trevas. Na verdade, dizem eles, se aquele mundo algum dia existiu, era propriedade de Satã, e a porta do inferno, se não o próprio inferno. Não sei o que o Deus deles pode ter criado ou não. Apesar das historias contadas, nunca soube muito sobre seus padres e jamais usei o negro de uma de suas monjas-escravas. Se os cortesãos de Arthur em Camelot fizeram de mim este juízo, quando fui lá (pois sempre usei as roupas negras da Grande Mãe em seu disfarce de maga), não os desiludi.
E na verdade, ao final do reinado de Arthur, teria sido perigoso agir assim, e inclinei a cabeça à conveniência, como nunca teria feito a minha grande Senhora, Viviane, Senhora do Lago, que depois de mim foi a maior amiga de Arthur, para se transformar mais tarde em sua maior inimiga, também depois de mim.
A luta, porém, terminou. Pude finalmente saudar Arthur, em sua agonia, não como meu inimigo e o inimigo de minha Deusa, mas apenas como meu irmão, e como um homem que ia morrer e precisava da ajuda da mãe, para a qual todos os homens finalmente se voltam. Até mesmo os sacerdotes sabem disso, com sua Maria sempre-virgem em seu manto azul, pois ela, na hora da morte, também se transforma na Mãe do Mundo.
E assim, Arthur jazia enfim com a cabeça em meu colo, vendo-me não como irmã, amante ou inimiga, mas apenas como maga, sacerdotisa, Senhora do Lago; descansou, portanto no peito da Grande Mãe, de onde nasceu, e para quem, como todos os homens, tem a finalidade de voltar. E talvez – enquanto eu guiava a barca que o levava, desta vez não para a ilha dos padres, mas para a verdadeira ilha sagrada no mundo das trevas que fica além do nosso, para a ilha de Avalon, aonde, agora, poucos, além de mim, poderiam ir – ele estivesse arrependido da inimizade surgida entre nós.(...)
A verdade tem muitas faces e assemelha-se à velha estrada que conduz a Avalon: o lugar para onde o caminho nos levará depende da nossa própria vontade e de nossos pensamentos, e, talvez, no fim, chegaremos ou à sagrada ilha da eternidade, ou aos padres, com seus sinos, sua morte, seu Satã e Inferno e danação...Mas talvez eu seja injusta com eles. Até mesmo a Senhora do Lago, que odiava a batina do padre tanto quanto teria odiado a serpente venenosa, e com boas razões, censurou-me certa vez por falar mal do deus deles.
“Todos os deuses são um deus”, disse ela, então como já dissera muitas vezes antes, e como eu repeti para as minhas noviças inúmeras vezes, e como toda sacerdotisa, depois de mim, há de dizer novamente, “e todas as deusas são uma deusa, e há apenas um iniciador. E cada homem a sua verdade, e Deus com ela”.
Assim, talvez a verdade se situe em algum ponto entre o caminho para Glastonbury, a ilha dos padres, e o caminho de Avalon, perdido para sempre nas brumas do mar do Verão.
Mas esta é a minha verdade; eu, que sou Morgana, conto-vos estas coisas, Morgana que em tempos mais recentes foi chamada Morgana, a Fada.

Marion Zimmer Bradley, in As Brumas de Avalon
  
Fata Morgana

Ingredientes:
1/2 kg de sorvete de baunilha ou creme, + ou - amolecido.
Suco de 1 limão
1 clara
Casca ralada de 1 limão
2 colheres (chá) de açúcar refinado
1/2 garrafa de champanhe

Preparo: Bata o sorvete ate ficar cremoso. Junte o suco e a casca de limão e mexa bem. Bata a clara com o açúcar refinado em neve firme e misture cuidadosamente com o sorvete. Leve ao congelador de um dia para o outro. Coloque a champanhe em quatro cálices grandes, ate 3/4. Coloque uma bola de sorvete em cada cálice. Sirva em seguida.



quarta-feira, 10 de agosto de 2011

A festa de Babette: gastronomia para aguçar os sentidos

          Já faz algum tempo que venho recolhendo vários filmes que tenha a gastronomia como tema para assistir e compreender os diferentes enfoques que os diretores exploram a partir desta arte. E hoje foi o dia em que tive contato com uma obra das mais sofisticadas que já pude ver “A festa de Babette” (Le festin de Babette), do dinamarquês Gabriel Axel (baseado na obra homônima da escritora, também dinamarquesa, Karen Blixen) – e lhes digo que vale a pena assistir ao filme porque ele vai alem das suas expectativas.

Devem estar se perguntando como eu posso afirmar uma coisa destas. E eu lhes darei alguns exemplos:
Antes de ver o filme sempre encontrei referencias sobre ele ser uma obra onde a comensalidade era sempre tratada como foco principal, pois a maioria dos críticos e adoradores de cinema via nas cenas de “Babette” a comida no seu sentido lato (com todo um ritual; como dádiva da terra; como deleite; como forma de hospitalidade e até como fonte para o sagrado). Porém. Trata-se mais que isso. O filme divaga pela exploração de todos os sentidos usando a presença do “sutil” para evocar a sensibilidade necessária em cada cena que, com a ajuda da música, desperta desejos ocultos, sensações, prazeres...
Assim sendo não seria difícil entender porque o filme ganhou o Oscar em 1987. E devo, obviamente, ainda comentar sobre a alusão religiosa  me foi observada no filme.
Eu particularmente sempre gostei de simbolismo – talvez porque durante muito tempo estudei mitologia e sempre me deparei com elementos simbólicos. Em A festa de Babette é nítida a presença do simbolismo cristão:
·         Paralelo entre Babette e Cristo (tomando o autossacrifício por amor, presente nos dois casos, como fio condutor);
·         O banquete em memória do pastor é uma alusão clara à 'Última Ceia' e, por extensão, à liturgia cristã;
·         Á mesa sentam-se doze pessoas, representando os doze apóstolos;
·         Babette é claramente uma imagem de Cristo: pobre, ela chega misteriosamente a uma pequena comunidade, trabalha como criada e, no final, presenteia a todos com um lauto banquete;
·         Cailles  au Sarcofage ('Codorna no Sarcófago'), foi o prato principal servido por Babette: Codorna significando 'maná' (alimento espiritual de origem divina que consola a alma); e Sarcófago, palavra vinda do latim, 'sarcophagus', que significa 'aquele que come carne'. Assim, o prato principal é uma evidente alusão às palavras de Cristo: 'Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem come deste pão, viverá para sempre. E o pão que eu vou dar é a minha própria carne, para que o mundo tenha vida' (João 6, 51)". 
De certo que todos os pratos feitos por Babette devem ter sido pesquisados cuidadosamente para expandir os nossos sentidos. Minha curiosidade foi tanta que fui pesquisar o menu servido por Babette:
O menu servido:
·         Soupe de tortue géante
·         Blinis Demidoff (blinis au caviar)
·         Cailles en Sarcophage avec Sauce Perigourdine
·         La Salade
·         Les fromages
·         Gâteau aux raisins et rhum avec des figues mûrs
Outro tipo de simbolismo é notado no filme: comida pode ser feitiçaria. Em certo ponto do filme todos os convidados do banquetes se reúnem acreditando que Babette seja uma bruxa, aquele que trará desgraça para aquela comunidade e que ela usará suas comidas para este fim.
De certo que eu também comungo com a idéia de quem cozinha é um feiticeiro (a). Porque quem cozinha prepara toda uma alquimia para enfeitiçar não so o paladar de quem irá comer, mas os outros sentidos também são aguçados. E Babette sabia disso. Ela sabia que, depois de comer coisas maravilhosas, bem feitas, as pessoas não permanecem as mesmas... E feitiçaria de fato ocorreu na cozinha: sopa de tartaruga, cailles au sarcophage, vinhos maravilhosos – normalmente uma feiticeira usa elementos estranhos ou sedutores, nas suas poções mágicas...
Bom, eu não tenho dez mil francos para repetir o banquete de Babette. Mas pelo menos ficar sem a receita do prato principal, nós não vamos (risos).
Cailles en Sarcophage
* Para oito pessoas
Preparação: 1 h 30
Ingredientes
500 g. de massa folhada.
1 gema batida com duas colheres de sopa de água.
8 codornas desossadas (exceto pernas e asas).
6 colheres de sopa de conhaque.
60 g. de trufas pretas picadas.
240 g. de fois gras fresco de ganso.
5 colheres de sopa de manteiga sem sal.
3 échalotes (cebola roxa) picadas.
1 xícara de chá de vinho branco seco.
4 xícaras de chá de caldo de carne.
2 colheres de chá de trigo dissolvidas em um pouco de vinho branco.
8 cogumelos de Paris grandes (somente os chapéus).
1 colher de chá de óleo de amendoim.
Sal e pimenta-do-reino moída na hora.
Farinha de trigo para polvilhar.
Preparo: MASSA: Estenda a massa em superfície lisa. Corte oito retângulos de 10 cm de largura por 13 cm de comprimento. Faça alguns furos com a ponta de um garfo e pincele com a mistura de gema e água. Asse a massa no forno pré-aquecido, por 15 minutos, até que esteja dourada. Quando estiverem frios, corte e retire um pedaço da parte central, de cada retângulo, com o auxílio de uma faca, formando “ninhos”, para receber as codornas. CODORNAS (caille): Lave e seque as codornas. Tempere com sal, pimenta e duas colheres de cognac. Junte metade das trufas picadas. Divida o fois gras em oito porções iguais e distribua nas cavidades. Feche cada codorna com linha. Em uma panela de fundo grosso, aqueça uma colher de sopa de manteiga. Acrescente os ossos que foram retirados e toste-os ligeiramente. Coloque as échalotes e refogue sem parar de mexer. Misture 2 colheres de cognac e raspe o fundo da panela. Acrescente o vinho, o caldo e deixe ferver lentamente por 30 minutos, até reduzir pela metade. Coe o caldo e devolva para a panela. Despeje a mistura de trigo, e mexa até o caldo engrossar. Incorpore as trufas restantes e tempere com sal e pimenta. Reserve. Refogue os cogumelos em duas colheres de manteiga. Reserve. Aqueça a manteiga restante com o óleo e doure as codornas, virando-as de todos os lados, leve-as depois ao forno por 10 minutos. Coloque o cognac restante na frigideira que dourou as codornas e raspe-a. Junte essa mistura ao caldo com as trufas. Retire as codornas do forno e retire as linhas. MONTAGEM: Coloque as massas numa assadeira e deposite uma codorna em cada “ninho” de massa. Reaqueça no forno, por 5 minutos. Transfira, cuidadosamente, para os pratos. Arrume os cogumelos em volta. Derrame o molho quente sobre as codornas e os cogumelos. Sirva imediatamente.